Divulgação de emails da PLMJ criticada pelo Conselho Regional de Lisboa da Ordem dos Advogados

António Jaime Martins, presidente deste conselho regional, caracteriza o cibercrime de “ataque sem precedentes ao segredo profissional”.

O Conselho Regional de Lisboa da Ordem dos Advogados (OA) considera que o ataque aos sistemas informáticos da sociedade PLMJ foi uma incursão ao segredo profissional. O presidente deste conselho regional enviou esta quarta-feira à tarde uma nota interna aos advogados inscritos onde denúncia o extravio da informação e lembra que a proteção das comunicações é assegurada pelos artigos 75º e 76.º do Estatuto da Ordem dos Advogados.

Na missiva intitulada “Novo Ano Judicial – Em Defesa do Segredo, da Advocacia e da Cidadania”, a que o Jornal Económico teve acesso, António Jaime Martins lança um apelo aos restantes intervenientes do judiciário – juízes e magistrados do Ministério Público, órgãos de polícia criminal – e jornalistas e comunicação social: “solidariedade, cooperação e lealdade na defesa das prerrogativas dos advogados” e “respeito” pela sua dignidade.

“Estando em causa um ataque sem precedentes ao segredo profissional através da divulgação massiva em sites na internet de correspondência eletrónica trocada entre advogados e os seus constituintes, está prima facie [à primeira vista] em causa o exercício da nossa profissão”, defende António Jaime Martins.

O dirigente do conselho lisboeta da Ordem refere está sobretudo posto em causa o direito de defesa em processo penal, um direito “do qual é credor o menos ou mais remediado dos cidadãos de um qualquer Estado de direito democrático hodierno que se preze”. “No limite, é o direito à cidadania que está posto em crise”, frisa.

Além de solicitar apoio aos diversos intervenientes da justiça e dos media, António Jaime Martins pede que as greves sejam comunicadas atempadamente. “O adiamento de diligências judiciais por motivo de greve deve necessariamente dar lugar à prévia e atempada comunicação aos advogados desse adiamento, como decorre, aliás, dos deveres de cooperação e correção previstos nos artigos 7.º e 9.º do Código Processo Civil”, explica.

Segundo o porta-voz do conselho de Lisboa do OA, a ação penal exerce-se com respeito pelos direitos, liberdades e garantias de todos. “A disponibilização pública em sites na internet alojados em servidores de difícil ou impossível acesso, de informação legitimamente confidencial, obtida sem consentimento dos respetivos titulares, não branqueia a obtenção criminosa da mesma, a qual contagia necessariamente a sua utilização que é tudo menos legítima”, conclui o porta-voz do conselho de Lisboa do OA.

Ler mais
Relacionadas

Documentos de clientes da PLMJ expostos na Internet após ataque informático

O blogue “Mercado de Benfica” divulgou ontem documentos com origem nos servidores da PLMJ Advogados, expondo informação de clientes como António Mexia, Manuel Pinho ou Ricardo Salgado. A firma está a avaliar “impacto potencial desse acesso ilegítimo”.

Falhas de segurança são inevitáveis para 80% dos CISO europeus

Os Chief Information Security Officer (CISO) enfrentam actualmente grandes desafios, nomeadamente, orçamentais.

O que mais preocupa os empresários portugueses? Fórum Económico Mundial revela tendências

Possíveis falhas de governação do Estado, bolhas de ativos, fenómenos climáticos extremos e choques provocados pelos preços da energia, além da falha dos mecanismos financeiros. Estas são as principais preocupações dos empresários portugueses de acordo com estudo do Fórum Económico Mundial.
Recomendadas

PremiumSérgio Gaio: “Empresas devem preocupar-se em entender os próprios dados”

Sérgio Gaio, ‘associate director’ da Accenture Technology, defende que a tendência no sentido de bens e serviços cada vez mais personalizados pode ser positiva sobretudo para os setores da indústria.

Fintechs com “misto de sensações” sobre acesso a contas bancárias

Os novos operadores da área financeira consideram que os bancos devem ir além das obrigações da diretiva dos pagamentos.

RGPD: Aplicação prática apenas nas grandes empresas?

Será muito mais benéfico para uma Google infringir o diploma europeu, pagar a coima e continuar com receitas bilionárias do que para uma startup, que se está lançar no mercado e se, por acaso, o violar o regulamento pode ir à falência.
Comentários