Conselho Regional de Lisboa da Ordem dos Advogados lança campanha de sensibilização para a importância da profissão

A iniciativa entra agora numa nova fase que permite que os advogados comuniquem as situações onde, durante o exercício do mandato conferido pelos seus clientes, os seus direitos e dignidade foram alvo de ataques ao livre exercício da sua atividade.

O Conselho Regional de Lisboa da Ordem dos Advogados lançou uma campanha de sensibilização para a importância dos advogados, uma iniciativa cujo objetivo é prevenir atropelos ao exercício da advocacia.

A campanha digital “O advogado faz a diferença” teve início em abril, onde a sensibilização passou pela divulgação da importância fundamental dos advogados nos momentos mais relevantes da vida das pessoas e das empresas.

A iniciativa entra agora numa nova fase que permite que os advogados comuniquem as situações onde, durante o exercício do mandato conferido pelos seus clientes, os seus direitos e dignidade foram alvo de ataques ao livre exercício da sua atividade. As denúncias destas situações poderão ser enviadas para o email respeito.advocacia@crlisboa.org.

“O objetivo é assegurar que estes atropelos ao exercício das funções sejam cada vez menos frequentes”, revela o Conselho Regional em comunicado.

Recomendadas

PremiumFirmas multidisciplinares dividem advogados

PS prepara anteprojeto de lei para reorganizar as ordens, abrindo caminho à criação de sociedades compostas por advogados e outros profissionais. Bastonário é contra, mas a classe está dividida.

A modernização “inevitável” de um setor tradicional como o da advocacia

Mesmo antes da aceleração que a pandemia promoveu, as sociedades de advogados de maior renome viviam já um processo de transição digital que facilitou a adaptação à advocacia remota.

O que dizem os advogados sobre a inovação na hora de servir o cliente

Líderes e responsáveis de inovação dos principais escritórios de advocacia em Portugal falam em compatibilidade entre deontologia e tecnologia, mas alertam para a necessidade de uma “sensabilidade acrescida” ou até de criação de comités para garantir o cumprimento dos deveres da profissão.
Comentários