Consolidação das engenharias é tendência no ensino superior

Os cursos de Engenharia lideraram as notas de entrada no ano passado e cresceram em número de alunos. Acredita-se que este ano não será muito diferente.

O concurso nacional de acesso de 2017/2018 foi dominado pela Engenharia. O número de alunos subiu 11% e cinco cursos figuraram no top 10 das notas mais elevadas.

Engenharia Aeroespacial, do Técnico, repetiu pelo segundo ano consecutivo o lugar de curso com média de entrada mais elevada na universidade: 18,80 valores teve o último aluno colocado na primeira fase do concurso nacional de acesso, via de entrada no ensino superior público. Seguiram-se Engenharia Física e Tecnológica, também do Instituto Superior Técnico, e Engenharia e Gestão Industrial, da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP), a uns ‘pozinhos’ de distância.

O excelente desempenho das engenharias não se limitou a arrebatar os primeiros lugares das médias mais altas. Com efeito, o número de alunos que escolheu estudar este ramo do saber aumentou consideravelmente face ao ano letivo anterior. Foram quase mais de mil alunos. O número cresceu de 8.301, em 2016, para 9.235, em 2017/2018, o que se traduziu numa subida de 11%.

Ao Jornal Económico, o Bastonário da Ordem dos Engenheiros, Carlos Mineiro Aires, fez, na ocasião, a leitura dos resultados: “Os jovens deixaram de ter medo da Matemática e da Física, há o entendimento de que o futuro passa por determinadas áreas da Engenharia e começaram a dedicar-se a elas.”

Num mundo tecnológico em que as engenharias se assumem como o motor em várias frentes, “é bom” para todos que este salto se esteja, finalmente, a dar, justifica Carlos Mineiro Aires: “Sem engenharias nunca haverá desenvolvimento nem crescimento, é bom para as famílias, que não vêem os seus filhos partir e é bom para a Ordem, que tem o resultado do que sempre defendemos – que é fundamental o país apostar na educação e na formação de engenheiros.”

Além dos já referidos, o top 10 dos cursos com notas mais altas do concurso nacional de acesso de 2017/2018 regista mais dois cursos ligados às engenharias: Bioengenharia, da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP), em quinto, e Engenharia Biomédica, do Instituto Superior Técnico de Lisboa, em nono. Há ainda a assinalar que nas cinco instituições de ensino que registam as notas mínimas de entrada mais elevadas do país – Universidade do Porto, Universidade do Minho, Universidade de Lisboa, Universidade Nova de Lisboa e Instituto Politécnico do Porto –, os graus de preenchimento de vagas situaram-se acima dos 98%. Em dois destes casos – UMinho e Nova -, a cobertura foi plena.

“Portugal tem meios, escolas e capacidades únicas, temos apetência para a tecnologia e para estes cursos. Os estudantes aperceberam-se disso e os resultados estão aí”, congratula-se o Bastonário da Ordem dos Engenheiros.

O concurso do ano passado colocou 46.544 estudantes no ensino superior público, 59% dos quais no ensino universitário e 41% no ensino politécnico. No que diz respeito às áreas de formação, as engenharias e técnicas afins, Saúde e Ciências Empresariais lideraram no número de colocações. As Artes e Ciências do Comportamento registaram igualmente mais de três mil estudantes colocados cada. Em contrapartida, Agricultura, Silvicultura e Pescas, Serviços de Segurança e Indústrias Transformadoras foram as áreas de estudo menos apelativas para os estudantes no concurso do ano passado.

Ler mais
Recomendadas

“Levem lombo, cachaço e costeletas”. Mega churrasco na Universidade de Coimbra marcado para novembro

O evento foi criado na rede social Facebook e já conta com mais de duas mil pessoas ‘confirmadas’. No passado dia 17 de setembro o reitor da universidade, Amílcar Falcão, anunciou a proibição de carne de vaca nas cantinas no combate às “alterações climáticas”.

“Universidade com 700 anos quer banir alimento com milhares de anos? Incompreensível”. Produtores de leite revoltados com Universidade Coimbra

A organização explica que a carne não é o principal produto das vacarias e que a venda ou engorda dos vitelos machos e das vacas após o fim da vida produtiva “é um complemento fundamental, quando o preço do leite está abaixo do custo de produção”.

Oeiras anuncia 1,8 milhões por ano até 2025 para a ciência

Oeiras torna-se o primeiro município a disponibilizar uma verba exclusivamente para a ciência.
Comentários