Premium“Construtoras nacionais apenas ficam com 20% das obras públicas”, diz bastonário da Ordem dos Engenheiros

O desinvestimento em pessoas e equipamentos ao longo dos últimos anos foi tão grande que apenas 20% das obras públicas lançadas ficam em empresas portuguesas, afirma Carlos Mineiro Aires.

As empresas nacionais têm uma década de investimento que permite sonhar com a readaptação. Mais. As empresas portuguesas têm de voltar a liderar e ganhar dimensão, alerta o bastonário da Ordem dos Engenheiros. Carlos Mineiro Aires afirma que, “depois da crise de 2009, e durante um período até 2016, 2017, o mercado de obras públicas parou”.

“Algumas empresas tiveram que partir para o estrangeiro, a chamada internacionalização, mas uma grande parte dessas empresas desapareceu. E das duas dezenas que tinham dimensão, restam duas ou três. A par disso, também se perderam cerca de 320 mil profissionais da área e fecharam 65 mil PME. Houve uma hecatombe”, defende o bastonário. Recentemente, com a reabilitação urbana, começou a aparecer algum mercado, notou.

“Ultimamente, com os fundos comunitários de 2020, foram lançadas obras públicas de forma apressada, o que não permitiu que as nossas empresas se dimensionassem a tempo. Aliás, das grandes obras públicas, apenas 20% cabem às empresas nacionais. Temos hoje uma capacidade reduzida em termos de empresas de construção e dispomos de 58 mil milhões de euros de investimento para esta década”, afirmou.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Sacyr vende filiais de construção em África por 33 milhões de euros

A Sacyr explica que vendeu “as suas filiais de construção em África no quadro da sua estratégia de concentração em negócios de concessões nos seus mercados de referência”.

PremiumCEO da Somague: “Nós, empresas portuguesas, respeitamos os nossos concorrentes”

Eduardo Campos Pozuelo conseguiu reduzir a dívida da construtora do Grupo Sacyr de 200 para 45 milhões de euros em menos de três anos.

Setor das obras públicas com variações positivas no final do terceiro trimestre de 2020

O total de empreitadas de obras públicas objeto de celebração de contrato e registo no Portal Base até final do terceiro trimestre, foi de 2.070 milhões de euros, mais 3% que o verificado em 2019″, conclui o mais recente barómetro do setor, efetuado e divulgado pela AICCOPN.
Comentários