Consultora da Luz Saúde vai liderar comissão sobre Lei de Bases da Saúde

“Convidámos a doutora Maria de Belém Roseira para que constitua uma comissão, nos critérios que ela própria definirá, e que possa acolher todas as sensibilidades da sociedade portuguesa”, anunciou hoje o ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, no Parlamento.

O atual ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, anunciou hoje que vai formar uma nova comissão com o objetivo de debater a Lei de Bases da Saúde. A comissão será liderada por Maria de Belém Roseira, ex-ministra da Saúde, ex-deputada do PS e antiga candidata à Presidência da República. Maria de Belém Roseira é consultora da Luz Saúde (sucedânea da Espírito Santo Saúde) desde os tempos em que exercia o mandato de deputada à Assembleia da República e presidia à Comissão Parlamentar de Saúde. Mais concretamente desde 2006. Além de integrar o Conselho Consultivo da Luz Saúde, também prestou serviços de consultoria à Euromedics e Merck, outras duas empresas com interesses diretos no setor da Saúde.

“Convidámos a doutora Maria de Belém Roseira para que constitua uma comissão, nos critérios que ela própria definirá, e que possa acolher todas as sensibilidades da sociedade portuguesa,” declarou o ministro da Saúde. Ou seja, além de liderar a nova comissão, Maria de Belém Roseira também vai ser responsável pela sua constituição, “nos critérios que ela própria definirá”. Na mesma intervenção, o ministro salientou a necessidade de um “consenso alargado” visando um “pacto orçamental” para o setor da Saúde que possa vigorar durante “mais do que uma legislatura.”

“O país ganharia muito com um acordo que fosse alargado e que projetasse, a mais do que uma legislatura, estabilidade política, estabilidade de meios, e beneficiaria muito se isso fosse feito num quadro de consenso alargado no Parlamento,” argumentou Campos Fernandes. Daí a formação de uma nova comissão para discutir a Lei de Bases da Saúde e cujo trabalho deverá ser “de visão larga e não restrita”, explicou.

O anúncio do ministro da Saúde ocorre pouco tempo depois de António Arnaut (ex-ministro dos Assuntos Sociais e apelidado de “pai do Serviço Nacional de Saúde”) e João Semedo (médico de profissão e antigo co-coordenador do Bloco de Esquerda) terem revelado que vão apresentar um projeto de nova Lei de Bases da Saúde. Entre as medidas propostas por Arnaut e Semedo, informa a TSF, destacam-se o reforço do papel do Estado no setor da Saúde, o término das parcerias público-privadas, a extinção das taxas moderadoras e a valorização das carreiras dos profissionais do setor.

 

Relacionadas

Presidente da República defende pacto para a saúde em Portugal

Durante a sua intervenção no Congresso Nacional de Estudantes de Medicina – CNEM 2017, na Reitoria da Universidade Nova de Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa afirmou que “gostaria” que se chegasse “um compromisso de regime” sobre a saúde.

Ministro da Saúde anuncia reforço de 1,4 mil milhões de euros para pagar dívidas

Até 31 de dezembro 2017 haverá um reforço de 400 milhões de euros para os hospitais e serão transferidos mais 500 milhões para um aumento do capital social dos hospitais EP. No início de 2018, ocorrerá um novo aumento de capital social dos hospitais, também de 500 milhões de euros.

Saúde: ordens e associações empresariais exigem reforço de 360 milhões do orçamento para o sector

Numa carta enviada aos grupos parlamentares, as ordens dos Médicos e dos Enfermeiros e as principais associações empresariais do sector da Saúde defendem que “o mínimo que se entende como razoável é que o peso da transferência orçamental para o Serviço Nacional de Saúde mantenha em 2018 o seu peso no produto interno bruto”.

Ministro critica greves na saúde “num país pobre e de gente velha e doente”

Adalberto Campos Fernandes acusou os sindicatos de usarem as greves para interesses pessoais e não pensarem no custos dos que mais precisam desses serviços.
Recomendadas

Carga fiscal em Portugal subiu para 35,4% do PIB em 2018

A carga fiscal em Portugal subiu dos 34,3% do PIB em 2017 para os 35,4% em 2018, o valor mais elevado desde 2000, acima da média dos países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE).

Metade das rendas do programa de rendas acessíveis estão abaixo dos 500 euros

O Governo espera dentro de dois anos que 20% dos contratos de arrendamento firmados serão feitos no âmbito do PAA. A maioria dos contratos estão a ser assinados em Lisboa, diz a tutela.

Portugal cresce acima da zona euro que estabilizou no terceiro trimestre

A contribuir para esta evolução esteve o aumento de 0,5% do consumo das famílias na zona euro e na União Europeia a 28, enquanto o investimento avançou 0,3%, uma queda abrupta após ter aumentado 5,7% na zona euro e 4,3% na UE28 no trimestre anterior.
Comentários