Consumo de combustíveis com a primeira subida homóloga em setembro

“Pela primeira vez desde que foi declarada a crise pandémica mundial, as introduções ao consumo mensais em Portugal de gasóleo e gasolina rodoviária cresceram do ponto de vista homólogo face ao mesmo período de 2019”, refere a ENSE.

O consumo de combustíveis registou em setembro o primeiro crescimento homólogo desde o início da pandemia, com o de gasolina a aumentar 3,46% e o de gasóleo 2,71%, divulgou esta sexta-feira a Entidade Nacional para o Setor Energético (ENSE).

“Pela primeira vez desde que foi declarada a crise pandémica mundial, as introduções ao consumo [registos efetuados, para efeitos fiscais, pelos comercializadores grossistas de combustível] mensais em Portugal de gasóleo e gasolina rodoviária cresceram do ponto de vista homólogo face ao mesmo período de 2019”, refere a ENSE em comunicado.

A análise da informação disponível sobre a informação mensal, refere a mesma entidade, indica ser “percetível o ritmo de recuperação sustentado nos níveis de introduções ao consumo destes dois produtos” que mostram “alguma evolução positiva na trajetória de retoma económica”.

O gasóleo (excluindo jet) registou em setembro uma subida de 8.856 toneladas (+2,71%) face ao mesmo mês de 2019, para um total de 403.481 toneladas.

Nas gasolinas verificou-se um aumento homólogo de 2.866 toneladas (+3,46%) para um total de 85.807 toneladas.

Apesar do ritmo de recuperação, a ENSE assinala que “continua a ser objetivo e factual que esta recuperação económica mantém um ritmo lento”, havendo setores que permanece particularmente afetados, “como é o caso da aviação, bem visível nas introduções ao consumo de JET [utilizado pelos aviões] registadas em Portugal durante o mês de setembro de 2020 face ao verificado no mês homólogo de 2019”.

No Jet, a evolução do consumo continua em terreno negativo, tendo-se registado em setembro deste ano um recuo de 103.390 toneladas (-64,47%) face às 160.362 toneladas observadas em setembro de 2019.

Ler mais

Recomendadas

‘Falcões’ vs ‘pombas’ no BCE. Lagarde vai dar sinal forte, mas tensões devem adiar estímulos

O banco central da zona euro está novamente dividido entre os que querem mais estimulos já e os que preferem aguardar. Christine Lagarde tem espaço de manobra e deverá aguardar até dezembro, quando tiver novas projeções e melhor visão sobre riscos politicos. A mensagem de hoje deverá ser, portanto, de promessa de agir face ao aumento de riscos.

Topo da agenda: o que vai marcar a atualidade esta quinta-feira

O tema em destaque nesta quinta-feira é a reunião com os governadores do Banco Central Europeu. Na Assembleia da República o dia ficará marcado pelas audições ao Tribunal de Contas e ao ministro da Ciência sobre o Orçamento do Estado para 2021. O INE vai publicar estatísticas relativamente às empresas, ao turismo e desemprego.

Corrida à liderança da OCDE gera tensões entre EUA e Europa

A nomeação para o cargo poderá, segundo alguns analistas e políticos próximos da organização, definir o futuro da globalização. As diferentes preferências europeias e americanas podem levar a mais um foco de tensão entre os dois blocos, sendo que, caso Joe Biden vença, levanta-se a questão sobre a sua escolha para o cargo, que deverá diferir da expressa pelo presidente Trump.
Comentários