Consumo de gás aumenta em setembro, mas renováveis abasteceram mais de metade do consumo de 2020

Desde o início do ano, a produção de energia renovável representou 56% do consumo de energia nacional, sobretudo através da energia hidroelétrica e eólica.

O consumo de gás natural em Portugal aumentou 13,3% em setembro, comparando com o período homólogo, segundo dados da REN. Tanto o segmento de produção de energia elétrica, como o segmento convencional, que engloba os restantes consumos, registaram crescimentos de 19,5% e 8,4%, respetivamente.

Em termos acumulados, o consumo registou uma evolução negativa de 1,5%, com o segmento convencional a apresentar uma variação negativa de 6%, enquanto o segmento de produção de energia elétrica ganhou 6,9%.

Na eletricidade, o consumo pouco variou em relação ao mês anterior. Em setembro verificou-se uma queda de 0,2% no consumo de energia elétrica, ou 1,6% quando corrigidos os efeitos da temperatura e dias úteis. Em termos anuais, no final de setembro verificava-se uma variação negativa de 3,5%, que passam a 4,2% de redução quando se corrige os efeitos de temperatura e dias úteis.

No findo mês de setembro, a produção renovável abasteceu 40% do consumo. Numa análise aos primeiros nove meses do ano, este valor passa para 56% do consumo, composto pela hidroelétrica com 24%, eólica com 22%,  biomassa com 7% e fotovoltaica com 3%. A produção não renovável abasteceu 38% do consumo, sobretudo através de gás natural, com o carvão a representar ainda cerca de 3% do consumo. Os restantes 6% do consumo nacional resultam do saldo de trocas com o estrangeiro.

Recomendadas

Produção da EDP Renováveis cai 7% nos primeiros nove meses do ano

A empresa justifica a diminuição da eletricidade produzida com a alienação de parte da sua capacidade de produção instalada, depois da estratégia de venda de posições e ativos europeus e, sobretudo, no Brasil, através da venda da sua participação no parque eólico Babilónia.

Empresa de energia renovável ultrapassa ExxonMobil em cotação bolsista

Segundo os analistas, esta ultrapassagem reflete a crescente importância atribuída pelos investidores às energias verdes, a insegurança relativamente ao comportamento do petróleo e a preferência por retornos estáveis em tempos de baixas taxas de juro.

Airbus revela três protótipos de aviões a hidrogénio

A construtora aeronáutica quer tomar a dianteira da transição energética no seu setor, apostando no hidrogénio como o combustível para os protótipos que esta segunda-feira deu a conhecer. Mas a entrada ao serviço só vai ter lugar a partir de 2035.
Comentários