Consumo de produtos de alimentação, bebidas, higiene pessoal e do lar subiu 12% no primeiro semestre

Estudo da Kantar para a Centromarca indica que o crescimento de vendas deste tipo de produtos – FMCG – Fast Moving Consuming Goods – foi de cerca de 50% nos canais ‘online’ na primeira metade deste ano.

Nos primeiros seis meses do ano, o mercado dos ‘Fast Moving Consumer Goods’ (FMCG), que engloba as categorias de alimentação, bebidas, higiene pessoal e higiene do lar, apresentou um crescimento, em valor, de 11,8% face a igual período de 2019.

Este é um dos principais resultados dum estudo realizado pela Kantar para a Centromarca, “que mostra rápidas mudanças no mercado do grande consumo em Portugal, num curto espaço de tempo, com o consumo dentro de casa a ganhar vantagem sobre o ‘out-of-home’“, conforme destaca um comunicado da Centromarca.

“Se cada lar realizou, durante o primeiro semestre de 2019, 64,6 idas a lojas para a compra de produtos de grande consumo, no primeiro semestre de 2020 realizaram-se menos quatro visitas por lar. Essa redução foi, no entanto, compensada com o aumento de 14% no volume adquirido em cada ato de compra e com o crescimento do valor gasto em 18,7%”, adianta o referido comunicado.

“Nos primeiros seis meses deste ano, ocorreram menos 15 milhões de ocasiões de compra em FMCG face ao mesmo período do ano passado. O estudo mostra uma redução do número de visitas às lojas e uma duração menor de cada uma dessas idas às compras, mas também a resistência dos alimentos, das bebidas e dos produtos de higiene que registam até algum crescimento”, explica Marta Santos, Manufacturers Sector Director da Kantar.

De acordo com os responsáveis da Centromarca, “a tendência para o consumo fora-de-casa tem registado um regresso gradual com o desconfinamento progressivo, em momentos intercalares entre refeições, com o crescimento do ‘snacking‘ e do consumo de ‘produtos de indulgência’, de que são exemplo os gelados ou alguns tipos de bebidas alcoólicas”.

Os dados da Kantar revelam ainda que – durante o confinamento – se verificou uma estabilização dos preços médios e o crescimento das vendas, em volume e em valor, bastante mais relevante no caso das marcas de distribuidor (MDD) do que nas marcas de fabricante (MDF), assinala a Centromarca.

“Ao contrário da percepção de alguns consumidores durante os primeiros meses da pandemia, não se assistiu a um aumento sensível dos preços, mas antes verificou-se uma redução do número de promoções, especialmente as ligadas a produtos menos vendidos na fase de maior confinamento”, acrescenta Marta Santos.

O estudo da Kantar assinala que, “relativamente aos locais de compra, há uma estabilização do número de lojas visitadas por cada lar, mas há algumas alterações do ‘mix‘ de insígnias’ visitadas”, acrescentando que “hiper e supermercados perdem algum espaço para os chamados ‘discounts‘, mas também para o comércio tradicional”.

“No canal ‘online’ – com uma base de compradores mais consistente e que se afirma ao nível de compras de ‘stockagem’ –, assiste-se a um crescimento de cerca de 50% das vendas FMCG, que avança de 2,1% das vendas totais no período pré-Covid para 3,2% no final do semestre”, adianta o referido comunicado.

O estudo da Kantar assinala que “o retalho tem vindo a adotar novas estratégias em resposta ao contexto atual do mercado, de que são exemplo o estabelecimento de parcerias com plataformas de entrega em casa, os investimentos próprios e acordos com marketplaces, a aposta em produtos e serviços ligados à higiene e ao bem-estar, ou o aumento da presença e comunicação das marcas próprias”.

“A dinâmica do canal ‘online’ é um dos aspetos que marca mais este semestre e os comportamentos de consumo associados à pandemia, sendo expectável que o crescimento continue a verificar-se no curto/médio prazo. É também interessante avaliar como a ‘performance’ do retalho apresenta altos e baixos, e verificar que alguns operadores relevantes mostraram fortes dificuldades neste período, enquanto outros apresentaram uma trajetória vencedora nos últimos meses”, afirma Pedro Pimentel, diretor-geral da Centromarca.

Os responsáveis da Centromarca realçam ainda que “os consumidores indicam que, nos tempos que se avizinham, vão aumentar a compra de produtos locais, recorrer a estabelecimentos mais perto de casa, reduzir o tempo passado dentro das lojas e ir menos às compras físicas, substituindo-as sempre que possível pelas ‘online'”, acentuando que “os portugueses manifestam ainda intenção de fazer férias em Portugal e reduzir os gastos em restauração, bares e lazer”.

“O estudo da Kantar revela como provável momentos de consumo fora-de-casa mais curtos, nos próximos meses, com um maior ‘gap‘ de comportamentos entre classes sociais, com uma descentralização dos locais de compra em favor do canal ‘online’, das lojas de ‘discount‘ e dos estabelecimentos tradicionais, sem que tal signifique uma menor procura por preços e promoções”, adianta o comunicado em questão.

“Antecipam-se tempos nebulosos para marcas, fabricantes e retalhistas. A crise económica, que os números do segundo trimestre antecipam, parece estar a chegar e traz consigo um significativo aumento dos níveis de desemprego e a compressão do rendimento disponível das famílias. E, neste momento, não parece possível poder contar com a ajuda do turismo ou das exportações para injetar vitalidade no mercado de consumo, nas contas das empresas e na saúde financeira do País”, avisa Pedro Pimentel.

A Centromarca – Associação Portuguesa de Empresas de Produtos de Marca – foi fundada em junho de 1994 e atualmente reúne 51 associados que detêm mais de 1.100 marcas, que em conjunto representam um volume de vendas anual no mercado nacional da ordem dos 6.500 milhões de euros, empregando mais de 25 mil pessoas.

Ler mais
Recomendadas

Makro Portugal apresenta maior evento de ‘Street Food’, em Alfragide

O ‘Street Food by Makro’ vai decorrer no parque de estacionamento da loja da cadeia de distribuição em Alfragide até 18 de outubro e engloba nove ‘food trucks’, com abertura ao público entre as 12 e as 20 horas.

Continente lança cápsulas de café em alumínio para reduzir pegada de carbono

Esta opção é justificada pela melhor conservação de aromas, uma maior cremosidade e uma maior resistência ao calor, não permitindo a transferência de oxigénio e mantendo-se pressurizadas, além de permitirem uma redução significativa da pegada de carbono em relação às cápsulas de plástico.

Grupo espanhol de distribuição Coviran amplia presença em Portugal

Foi inaugurado o 261º supermercado da rede no nosso país, em Queijas, no concelho de Oeiras.
Comentários