Contabilistas: eleições para ordem realizam-se hoje, envoltas em polémica

Será o primeiro ato eleitoral sem António Domingues de Azevedo, histórico líder do setor, falecido em 2016.

As eleições para a Ordem dos Contabilistas Certificados (OCC) realizam-se hoje, envoltas em polémica e com garantias de mudança, porque será o primeiro ato eleitoral sem António Domingues de Azevedo, histórico líder do sector, falecido em 2016.

A liderança dos contabilistas certificados é disputada por quatro listas, o que acontece pela primeira vez e, segundo fontes do sector ouvidas pelo Jornal Económico, pode resultar numa maior afluência às urnas. Até porque, também pela primeira vez, os 70 mil contabilistas registados vão poder votar presencialmente em todas as capitais de distrito, em vez de serem obrigados a fazê-lo por correspondência ou a deslocar-se à sede da Ordem, em Lisboa.

A eleição não será, no entanto, pacífica, porque a Lista A, encabeçada por Paula Franco, que foi assessora de Domingues de Azevedo na OCC, interpôs uma ação judicial em que contesta a legalidade das restantes três listas.

Isto mereceu um comunicado conjunto dos candidatos a bastonário pela Lista B, Filomena Martins, pela Lista C, António Lopes Pereira, e pela lista D, José Araújo. No comunicado, os candidatos contestam que uma das listas concorrentes tenha interposto uma ação judicial no Tribunal Administrativo de Lisboa, com o “objetivo de impugnar as suas candidaturas”.

Paula Franco justifica a ação com a necessidade de supervisão de um processo em que diz que a comissão eleitoral não foi isenta. Já na marcação da data das eleições houve polémica com o presidente da mesa da assembleia geral, Manuel dos Santos.

Um dos contabilistas, em declarações ao Jornal Económico, reconhece que “a assembleia geral em que foram marcadas as eleições foi atribulada”, mas justifica com a necessidade de ser marcada a data das eleições.

A ação interposta não inviabiliza a realização do ato eleitoral, mas poderá ter efeitos posteriormente.

Desde a morte de Domingues de Azevedo, a OCC tem como bastonária a então vice-presidente Filomena Moreira, que é candidata, pela Lista A, novamente como vice-presidente da Direção.

Os votos por correspondência já foram enviados e hoje realiza-se a votação presencial.

Os resultados finais deverão ser conhecidos dentro de três dias.

Ler mais
Relacionadas

“A Ordem dos Contabilistas deve saber bater o pé à Autoridade Tributária”

José Araújo vai apresentar-se às eleições da Ordem dos Contabilistas Certificados, no final do ano. Defende uma Ordem mais transparente, melhor gerida e que assegure as boas práticas na profissão.

UE: Novas regras de combate ao branqueamento de capitais já em vigor

As novas regras de combate ao branqueamento de capitais, elisão fiscal e financiamento do terrorismo entram hoje em vigor. Esta foi sempre uma das prioridades da Comissão Europeia liderada por Jean-Claude Juncker.

A primeira mulher a liderar os contabilistas certificados

A sucessão do líder histórico apanhou-a de surpresa, mas o conhecimento e o percurso de dezena e meia de anos na entidade que representa o setor deram-lhe uma transição tranquila.
Recomendadas

Altice Portugal em conversas com dois bancos para prestar serviços financeiros

Alexandre Fonseca afirmou que, “neste momento, a Altice Portugal está a falar com duas instituições financeiras nacionais (…) sobre a possibilidade de expandir a sua oferta para a área de serviços financeiros”.

PremiumEmpresas e famílias terão incentivos fiscais no interior

Governo lança benefícios fiscais (ao nível do IRC e do IRS) para promover a revitalização do interior. Investir fora dos grandes centros urbanos terá mais vantagens para as famílias e para as empresas.

PremiumGoverno vai alocar 200 milhões das receitas do IRC à Segurança Social

O Governo pretende alocar cerca de 200 milhões de euros das receitas de IRC arrecadadas em 2019 ao Fundo de Estabilização Financeira da Segurança Social, o equivalente a um ponto percentual da taxa do imposto que recai sobre as empresas . Face à transferência deste ano, os cofres da Segurança Social receberão mais 120 milhões de euros em 2019.
Comentários