“Conversas com Norte”. Ricardo Costa: “Dinâmica que queremos imprimir foi bem aceite pela CIP”, revela presidente da AEMinho (com áudio)

Ricardo Costa, presidente da Associação Empresarial do Minho e CEO do Grupo Bernardo da Costa, é o convidado do podcast “Conversas com Norte”, que poderá ouvir em jornaleconomico.pt e na ‘playlist’ do JE no Spotify.

Nesta entrevista para o Jornal Económico, o gestor fala da primeira reunião institucional da associação, que agora lidera, com a Confederação Empresarial de Portugal (CIP) e da qual fará parte após a sua assembleia constituinte, agendada para 28 de maio.

Neste espaço de conversa, Ricardo Costa dá a conhecer também um pouco mais sobre o Grupo Bernardo da Costa sem esquecer a importância dos seus funcionários, daí ter criado um departamento da felicidade.

O grupo, composto por nove empresas e com representação no exterior, fechou o ano de 2020 com um volume de negócios de 57 milhões de euros, o que representa um crescimento de 22% num contexto de pandemia. Tudo para ouvir neste episódio do podcast “Conversas com Norte”.

Recomendadas

“Investimento em Santo Tirso é de 44 milhões de euros até 2023”, garante gestor da Pacoli (com áudio)

Raul Palavras, administrador da Pacoli, empresa de investimentos imobiliários e construção, é o convidado do podcast “Conversas com Norte”, que poderá ouvir no site do JE e na ‘playlist’ do JE no Spotify. Nesta entrevista, o empresário fala do forte investimento que se prepara para fazer no concelho de Santo Tirso, bem como do seu outro projeto ligado ao sector têxtil.

“Conversas com Norte”. “Nordeste transmontano tem sido esquecido pelas políticas centralistas”

“Isto claramente vem ao encontro daquilo que tem sido até agora a atitude dos sucessivos Governos para com o território do nordeste transmontano, que tem sido sistematicamente esquecido pelas permanentes e sucessivas políticas centralistas”, lamentou Hernâni Dias, presidente da Câmara Municipal de Bragança ao podcast do JE.

“Conversas com Norte”. “Venda das barragens da EDP? Em Lisboa, tudo seria tratado de forma diferente”

“Se este negócio tivesse sido realizado, por exemplo, na capital do país, provavelmente tudo teria sido tratado de uma outra forma. Mas como este negócio aconteceu em territórios do nordeste transmontano, onde os municípios são mais pequenos, têm menos capacidade reivindicativa, tudo aconteceu de forma diferente”, destaca o autarca de Bragança ao podcast do JE.
Comentários