Coordenador da task force diz que no segundo trimestre o país vai estar a administrar 100 mil vacinas por dia

Henrique Gouveia e Melo acredita que no segundo trimestre do ano o país vai estar sujeito a várias inoculações por dia e defende que será preciso arranjar “modelos alternativos aos centros de saúde ou cuidados primários”.

António Cotrim/Lusa

Henrique Gouveia e Melo, o novo coordenador da task force do plano de vacinação contra a Covid-19 em Portugal, garantiu esta segunda-feira que o país vai estar a administrar 100 mil vacinas por dia no segundo trimestre do ano.

“Vai haver concentração de vacinas já no segundo trimestre suficiente para aumentar o plano de vacinação para cerca de 100 mil vacinas por dia”, disse Henrique Gouveia e Melo durante a reunião do Infarmed com o Governo.

O coordenador do plano de vacinação acredita “que se as expectativas para a disponibilidade de vacinas se mantiverem se possam atingir imunidade de grupo, os 70% ou de eventualmente reduzir-se ao fim do verão para meados do verão à volta de agosto ou inícios de agosto.

Sendo que Henrique Gouveia e Melo prevê que o país esteja a um nível muito rápido de vacinação no segundo trimestre do ano, defende que se terá de “em modelos alternativos aos centros de saúde ou cuidados primários para que este processo de vacinação não tenha problemas”.

O coordenador do grupo responsável pela organização das vacinas referiu que a primeira fase de vacinação foi quando houve menor disponibilidade de doses, algo que se vai corrigindo ao longo do tempo. “Pode-se ver que há uma redução muito significativa do primeiro trimestre, havendo reduções nos outros trimestres. Só a partir do terceiro trimestre e quarto trimestre é que se conseguiu reduzir o diferencial” quanto ao número de vacinas disponíveis, referiu.

Relacionadas

Covid-19: Especialista adverte que fim do confinamento rígido pode exponenciar aumento da variante britânica

Epidemiologista João Paulo Gomes, do Instituto Ricardo Jorge, defende que bloqueio aos processos de transmissão secundária impediram que a variante do Reino Unido atingisse uma prevalência tão elevada quanto se temia. Até agora os casos detetados das variantes da África do Sul e de Manaus continuam muito reduzidos.
Recomendadas

1.886 tripulantes da TAP votaram ‘sim’. Acordo de emergência fica aprovado no SNPVAC

A esmagadora maioria dos tripulantes da TAP representados pelo Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil votou favoravelmente o “Acordo de Emergência”, virando a página num processo negocial que tem sido longo para os trabalhadores do Grupo TAP, mas que salvaguardou algumas regalias laborais.

TAP. Pilotos do SPAC aceitam “acordo de emergência”

Com uma participação massiva de 96,8% dos associados do Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC), foi votado o “Sim” ao “acordo de emergência” estabelecido com a administração da TAP, com uma maioria de 617 votos. O regime sucedâneo é afastado para os pilotos, que vêm o ordenado ser cortado em 50% acima do valor de garantia de 1.330 euros mensais.

OMS reclama isenção de direitos de propriedade intelectual para vacinas

“Agora é o momento de usar todas as ferramentas para aumentar a produção, incluindo licenciamento, transferência de tecnologia e isenções de propriedade intelectual. Se não é agora, quando?”, questionou o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus.
Comentários