COP25: Greta Thunberg encerra Marcha pelo Clima acusando políticos de traição

“Nós é que vamos fazer a mudança”, vincou, dirigindo-se a uma multidão, assinalando que é necessário “sair dos espaços das conferências” e “parar esta crise”.

Greta Thunberg | Cristina Bernardo

A jovem ativista ambiental sueca Greta Thunberg acusou hoje, em Madrid, os políticos de traírem as pessoas, salientando que “têm de fazer o seu trabalho”.

Greta Thunberg discursava, em inglês, no encerramento da Marcha pelo Clima, que, segundo um dos organizadores, o movimento Fridays For Future, teve meio milhão de participantes. De acordo com a polícia, citada pela agência Efe, o protesto contou com apenas 15 mil pessoas.

A adolescente, de 16 anos, regressou no final à marcha, que encabeçou no início, depois de ter abandonado o protesto, por recomendação da polícia, devido à multidão que a impedia de continuar a andar.

A ativista despediu-se na altura dos manifestantes em inglês antes de entrar numa viatura elétrica, que a conduziu ao encerramento da marcha, onde eram aguardados os discursos finais.

“Os líderes políticos estão a trair-nos, não vamos deixar que continuem. Dizemos basta, já! A mudança vem, quer gostem ou não”, afirmou Greta Thunberg, na zona dos Novos Ministérios, onde terminou a manifestação, enfatizando que “a esperança não reside nas paredes da COP25 [cimeira do clima da ONU de Madrid], mas na rua”.

A ativista realçou que os manifestantes saíram da sua “zona de conforto” para “dizer às pessoas com responsabilidades” que têm de “preservar o futuro e as gerações atuais”.

A seu ver, a mudança para travar os efeitos da crise climática “não virá dos poderosos”, mas das “massas que exigem ação”.

“Nós é que vamos fazer a mudança”, vincou, dirigindo-se a uma multidão, assinalando que é necessário “sair dos espaços das conferências” e “parar esta crise”.

Antes de falar em inglês, a jovem sueca agradeceu em castelhano a presença de milhares de pessoas na manifestação.

A Marcha pelo Clima começou às 18:00 locais (17:00 em Lisboa) perto da Gare de Atocha, percorrendo as principais avenidas do centro da capital espanhola, e terminou na zona dos Novos Ministérios.

A manifestação marcou o início de uma contra-cimeira ou cimeira social, que faz parte da agenda paralela à COP25, que termina em 13 de dezembro.

Fridays For Future é um movimento impulsionado por Greta Thunberg, que iniciou em 2018 uma greve às aulas todas as sextas-feiras em protesto contra a falta de medidas para travar o aquecimento do planeta.

Ler mais
Relacionadas

COP25: Greta Thunberg abandona Marcha pelo Clima em veículo elétrico devido a multidão

A jovem ativista ambiental sueca Greta Thunberg abandonou, entre aplausos e gritos, a Marcha pelo Clima que está a decorrer em Madrid, por recomendação da polícia, devido à multidão que a impedia de continuar a andar.

Meio milhão de participantes na Marcha pelo Clima de Madrid

A manifestação assinala o início de uma contra-cimeira ou cimeira social, que faz parte da agenda paralela à cimeira do clima da ONU de Madrid (COP25), que termina na capital espanhola em 13 de dezembro.
Recomendadas

Sem turistas, canais de Veneza estão mais limpos que nunca

Golfinhos, peixes e cisnes fazem agora parte dos canais de Veneza, que há várias décadas não viam a água tão transparente.

Covid-19: novas recomendações para a gestão de resíduos

Os sacos de lixo devem ser devidamente fechados e colocados dentro de um segundo saco, fechado, e depositado no contentor de resíduos indiferenciados”. Viaturas de recolha e contentores devem ser mais higienizadas. Caso se verifique uma taxa de absentismo que não permita a recolha adequada, e de forma seletiva de todas as frações de resíduos urbanos, preconiza-se a recolha conjunta da fração indiferenciada e da depositada seletivamente, garantindo sempre que a frequência de recolha de resíduos indiferenciados não é prejudicada.

Covid-19: Foram emitidas menos um milhão de toneladas de CO2 por dia

A Agência Internacional de Energia (AIE) divulgou esta semana um relatório segundo o qual a procura global de petróleo deve contrair-se este ano pela primeira vez desde 2009, devido à Covid-19, sendo que estão em causa menos 90.000 barris de petróleo por dia em relação ao ano passado, não ultrapassando os 99,9 milhões de barris por dia.
Comentários