Coreia do Norte avisa Reino Unido sobre as sanções aplicadas: “Vão pagar caro”

O Reino Unido anunciou esta semana as suas primeiras restrições unilaterais contra a Coreia do Norte sob as novas regulamentações globais dos direitos humanos.

A Coreia do Norte diz que o Reino Unido “vai pagar caro” pelas sanções contra a segurança estatal e a força policial, conta a “Bloomberg” este sábado, 11 de julho. O Reino Unido anunciou esta semana as suas primeiras restrições unilaterais contra a Coreia do Norte sob as novas regulamentações globais dos direitos humanos.

Um porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros da Coreia do Norte, referiu através da Agência Central de Notícias da Coreia que esta medida do Reino Unido é vista como uma provocação.

“A última ação do Reino Unido é uma conspiração política flagrante para ultrapassar a onda da política inimiga dos EUA”, afirmou o porta-voz. “Condenamos e rejeitamos veementemente a ousadia do Reino Unido de impor sanções a instituições responsáveis ​​pela segurança do nosso país como uma interferência violenta nos assuntos internos”.

Na segunda-feira, o Reino Unido anunciou sanções contra o Ministério da Segurança do Estado 7 e o Departamento de Segurança Correcional do Ministério da Coreia do Norte entre 49 indivíduos e organizações.

O governo britânico disse que as duas organizações estavam envolvidas em ações de trabalhos forçado, tortura e assassinato nos campos de prisioneiros da Coreia do Norte.

O Reino Unido também tem como alvo indivíduos e organizações da Rússia, Arábia Saudita e Myanmar por supostas violações dos direitos humanos.

Ler mais
Recomendadas

Portugueses já não precisam de fornecer dados pessoais na Galiza

A evolução da situação epidemiológica em Portugal levou a Xunta da Galiza a decidir retirar o país da lista que exigia o registo dos viajantes à chegada a esta comunidade autónoma.

Visita dos Estados Unidos a Taiwan motiva tensões com a China

“Taiwan tem sido um modelo de transparência e cooperação na saúde global durante a pandemia e muito antes dela”, apontou o secretário da Saúde dos EUA que visitará a região onde surgiu o coronavírus nos próximos dias

EUA esperavam 1,5 milhões novos empregos em julho. Foram criados apenas 167 mil

Número fica bem abaixo dos 1,5 milhões de novos empregos que os especialistas apontavam para este período nos EUA.
Comentários