Coronavírus “criou novas dúvidas” sobre o avanço da economia mundial, estima Schroders

“O surto do coronavírus lançou uma incerteza significativa”, apontam os economistas da Schroders.

Ao dia de hoje, 27 de fevereiro, estão confirmadas mais de 2.800 mortes devido a infeção com coronavírus (Covid-19) e para os economistas da multinacional de origem britânica Schroders, a propagação do vírus “criou novas dúvidas” sobre o avanço da economia mundial.

De acordo com uma avaliação hoje enviada à redação, o efeito da disseminação do Covid-19, primeiro na China e atualmente no resto do mundo, poderá ter um impacto na economia mundial superior a anteriores epidemias que chegaram a atingir diversos cantos do mundo, além da China.

Em 2002, a China representava 2% da economia mundial, contribuindo com 18% para o avanço do ritmo do produto interno bruto (PIB) mundial. Dezoito anos volvidos e o peso da China na economia mundial catapultou para 15,8%. Segundo a economista da Schroders, Azad Zangana, 35% do PIB mundial sai daquele país.

Há quase duas décadas a China estava a braços com a SARS (síndrome respiratória aguda grave), que provou 800 mortos. Um número inferior às vítimas mortais que o Covid-19 já provocou.

“[Hoje] o renascimento da economia mundial foi paralisado na Ásia por causa do coronavírus. Os efeitos estão a fazer sentir-se na economia mundial à medida que as cadeias de fornecimento de bens e serviços são interrompidas. Há também a ameaça adicional do vírus emergir fora da China, como em Itália e Coreia”, comentou a economista-chefe da multinacional, Keith Wade.

Fora da China, os principais focos de contágio e os maiores números de vítimas mortais por coronavírus encontram-se na Coreia do Sul, em Itália e no Irão.

“Os riscos de uma pandemia global aumentaram. Os portadores do vírus podem ser infecciosos sem mostrar sintomas, dificultando o diagnóstico, o isolamento e a contenção. Claramente, isso teria maiores riscos negativos de atividade, especialmente se os EUA forem atingidos”, acrescentou Wade.

As prospetivas económicas estarão por esclarecer relativamente ao coronavírus, mas haverá um impacto económico em 2020. Depois de um ano de 2019 marcado pelas tensões comerciais entre Estados Unidos e China, que pesaram no desenvolvimento da economia mundial, os analistas tinha expectativas quanto a melhorias em 2020, segundo a Schroders, sobretudo depois de as duas maiores economias mundiais terem assinado, em 15 de janeiro, uma primeira fase de um acordo comercial.

“O surto do coronavírus lançou uma incerteza significativa sobre essa perspetiva”, aponta a empresa.

Ler mais

Recomendadas

Despesa corrente em saúde aumentou em 2018 e 2019, diz o INE

De acordo com os resultados da Conta Satélite da Saúde do INE, na base 2016, o crescimento nominal da despesa corrente em saúde nesses anos foi superior ao do PIB mais 1,3 pontos percentuais (p.p.).

CP “empurra” para despedimento 120 trabalhadores dos bares dos comboios, acusa federação dos sindicatos

A Federação dos Sindicatos da Agricultura. Alimentação, Bebidas, Hotelaria e Turismo (FESAHT) alerta que os 120 trabalhadores dos bares dos comboios da CP estão em risco de “serem vítimas de um despedimento colectivo”. Tudo porque, diz FESAHT, a empresa mantém a recusa da reabertura do serviço de refeições dos bares dos comboios Alfa Pendular e Intercidades.

António Costa reúne-se hoje com homólogo holandês em Haia

O primeiro-ministro, António Costa, reúne-se hoje em Haia com o seu homólogo holandês, Mark Rutte, no quadro dos encontros bilaterais que tem mantido com outros líderes europeus antes do Conselho Europeu de sexta-feira e sábado em Bruxelas.
Comentários