Coronavírus custa mil milhões de euros por mês ao setor do turismo na Europa

“Os turistas chineses não vêm para a Europa desde janeiro”, referiu o comissário europeu da Indústria, Thierry Breton, em entrevista ao canal francês “BFM”.

Cristina Bernardo

O surto do novo coronavírus está a custar ao setor turístico europeu cerca de mil milhões de euros por mês em receitas perdidas, de acordo com o comissário europeu da Indústria, Thierry Breton. Os viajantes chineses deixaram de sair de casa com receios de propagação do Covid-19 e fazer as malas para voar até à Europa passou para segundo plano.

“Os turistas chineses não vêm para a Europa desde janeiro. Isso significa dois milhões de noites [dormidas de hotéis] perdidas e representa um bilhão de euros por mês desde janeiro”, disse Thierry Breton, em entrevista à estação de televisão francesa “BFM”.

Aliás, na semana passada a Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) anunciou ter solicitado ao Governo português auxílios para as empresas e trabalhadores desta indústria por causa da quebra de atividade causada pelo Covid-19.

“Apesar de não se conhecerem casos confirmados no nosso país, as empresas do alojamento turístico e da restauração e bebidas começam já a dar os primeiros sinais provocados pelo novo coronavírus”, esclareceu a AHRESP, em comunicado.

Em declarações ao mesmo canal, o ex-ministro da Economia de França referiu que, por enquanto, exceto “alguns setores” – como o turismo – o impacto deste vírus ainda é “relativamente limitado”. No entanto, o comissário europeu diz que saber-se-á melhor “no final do mês de março, porque é aqui que as empresas começam a contabilizar o primeiro trimestre”.

“O que fizemos ao nível da Comissão Europeia foi, sem esperar, (…) agir em tempo real, quase dia após dia, e dar todas as nossas disposições sobre o impacto económico ao nível da União Europeia”, sublinhou Thierry Breton sobre a epidemia que teve origem na China, em dezembro de 2019, e infetou até agora mais de 86 mil pessoas em 53 países de cinco continentes.

Ler mais

Recomendadas

Empresas vão de emitir credencial para trabalhadores se deslocarem

O primeiro-ministro anunciou hoje novas medidas para endurecer o atual confinamento geral. Ao mesmo tempo, as grandes empresas têm 48 horas para comunicar quem são os trabalhadores dispensados de teletrabalho.

Deco alerta para “abusos” na cobrança da taxa de entrega de garrafas de gás

Pela segunda vez, em menos de um ano, o Governo volta a fixar preços máximos para o gás engarrafado, mas “há que ter atenção a abusos na cobrança da taxa de entrega”, alerta a Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor (Deco). Associação revela que alguns distribuidores passaram a cobrar montantes superiores a quatro euros para entregar as garrafas em casa dos consumidores confinados.

Circulação entre concelhos proibida ao fim de semana. Lojas fecham às 20h durante a semana e às 13h ao sábado e domingo

António Costa anunciou hoje as medidas aprovadas pelo Governo para endurecer o atual Estado de Emergência.
Comentários