Coronavírus custa mil milhões de euros por mês ao setor do turismo na Europa

“Os turistas chineses não vêm para a Europa desde janeiro”, referiu o comissário europeu da Indústria, Thierry Breton, em entrevista ao canal francês “BFM”.

Cristina Bernardo

O surto do novo coronavírus está a custar ao setor turístico europeu cerca de mil milhões de euros por mês em receitas perdidas, de acordo com o comissário europeu da Indústria, Thierry Breton. Os viajantes chineses deixaram de sair de casa com receios de propagação do Covid-19 e fazer as malas para voar até à Europa passou para segundo plano.

“Os turistas chineses não vêm para a Europa desde janeiro. Isso significa dois milhões de noites [dormidas de hotéis] perdidas e representa um bilhão de euros por mês desde janeiro”, disse Thierry Breton, em entrevista à estação de televisão francesa “BFM”.

Aliás, na semana passada a Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) anunciou ter solicitado ao Governo português auxílios para as empresas e trabalhadores desta indústria por causa da quebra de atividade causada pelo Covid-19.

“Apesar de não se conhecerem casos confirmados no nosso país, as empresas do alojamento turístico e da restauração e bebidas começam já a dar os primeiros sinais provocados pelo novo coronavírus”, esclareceu a AHRESP, em comunicado.

Em declarações ao mesmo canal, o ex-ministro da Economia de França referiu que, por enquanto, exceto “alguns setores” – como o turismo – o impacto deste vírus ainda é “relativamente limitado”. No entanto, o comissário europeu diz que saber-se-á melhor “no final do mês de março, porque é aqui que as empresas começam a contabilizar o primeiro trimestre”.

“O que fizemos ao nível da Comissão Europeia foi, sem esperar, (…) agir em tempo real, quase dia após dia, e dar todas as nossas disposições sobre o impacto económico ao nível da União Europeia”, sublinhou Thierry Breton sobre a epidemia que teve origem na China, em dezembro de 2019, e infetou até agora mais de 86 mil pessoas em 53 países de cinco continentes.

Ler mais

Recomendadas

Agroindústria portuguesa tem condições para continuar a crescer, mas deve investir no conhecimento

O presidente da Lusomorango, Luís Pinheiro, e o diretor do Centro de Estudos Aplicados da Universidade Católica, Ricardo Reis, defendem que o sector agroindustrial tem condições para se desenvolver, no início da última conferência do ciclo para a concretização de uma visão estratégica para o agroalimentar em Portugal

Conferência sobre o agroalimentar e o Pacto Ecológico Europeu realiza-se esta quarta-feira. Veja aqui

O ciclo de conferências “Conhecer para Decidir, Planear para Agir” é promovido pela Lusomorango, a maior organização de produtores portuguesa do sector das frutas e legumes, e pela Universidade Católica Portuguesa, numa iniciativa de que o Jornal Económico é media partner.

Banco de Portugal retirou mais de 12 mil notas contrafeitas de circulação em 2020

As notas contrafeitas retiradas de circulação corresponderam a 2,6% do total detetado a nível mundial e a 2,8% do apreendido na área do euro e as moedas contrafeitas eram representativas de 1,5% do total retirado a nível global.
Comentários