Coronavírus em Itália leva a ‘mini-crash’ nas bolsas da Europa

NOS, Mota-Engil, CTT e BCP lideram nas quedas de mais de 5%. A Europa viu os mercados de ações caírem fortemente com o avanço do coronavírus no norte de Itália. O ouro acabou por ser visto como ativo de refúgio e sobe 1,81%. Ao contrário o petróleo está em queda expressiva.

Os mercados estão desvairados com a expansão galopante do Coronavírus no norte de Itália. O EuroStoxx50 tombou -4,04% para 3.647 pontos e essa foi a média de quedas na Europa, sendo que nos Estados Unidos o cenário não é muito diferente.

A Bolsa portuguesa não é exceção e o PSI-20 perde num dia 2,2 mil milhões de euros em market cap. O índice PSI-20 perdeu -3,53% para 5.197,09 pontos.

NOS, Mota-Engil, CTT e BCP lideram nas quedas. O BCP perdeu-5,16% para 0,1801 euros; a NOS SGPS recuou -5,80% para 3,9 euros; os CTT tombaram 5,01% para 2,58 euros e a Mota-Engil caiu -5,84% para 1,515 euros.

Mas a bem dizer todos os títulos fecharam em queda. A Sonae tombou -4,57% para 0,7825 euros; a Ramada desceu -4,14%; a Galp teve uma queda de -3,88% para 13,74 euros; a EDP resvalou -3,55% fechando nos 4,71 euros; a EDP Renováveis deslizou -2,14% para 12,8 euros; a Jerónimo Martins (que pretende entrar no mercado romeno) fechou a cair -2,76% para 16,72 euros; a REN recuou -2,15% para 2,73 euros; a Navigator caiu -2,10% para 3,07 euros,

As quedas foram aparatosas em todos os títulos, não havendo quedas inferiores a 2%.

Os mercados europeus fecharam em baixa expressiva, “com a abertura de Wall Street a estagnar o sentimento negativo no velho continente”, refere o analista da Mtrader, Ramiro Loureiro.

“A aversão ao risco sentida na sessão de hoje tem na sua origem os novos casos do coronavírus na Europa e Coreia do Sul”, refere o analista.

Itália é o país mais afetado onde em apenas 3 dias se registaram 152 novos casos levando as autoridades a cancelarem o Carnaval de Veneza e encerrarem escolas no norte do país

Com mais de 150 casos de infeção e quatro mortes, a Itália é o país da Europa com mais infeções pela nova estirpe de coronavírus e o quarto a nível global. Os casos em Itália estão para já circunscritos a regiões do norte do país: Lombardia, Veneto, Emília, Romanha, Piemonte e Lácio. Os países vizinhos de Itália, casos da Áustria, Suíça ou França acompanham com atenção o evoluir do coronavírus.

As principais praças europeias tombaram esta segunda-feira, véspera de carnaval. O FTSE 100 em Londres caiu -3,45% para 7.148,42 pontos; o CAC 40 perdeu -3,94% para 5.792,4 pontos; o DAX tombou -4,05% para 13.029 pontos; o IBEX recuou -3,95% para 9.496 pontos; e a bolsa de Milão, como esperado, lidera as perdas com o FTSE MIB a descer -5,33% para 23.452,2 pontos.

Os receios do impacto da epidemia do coronavírus e do seu efeito sobre a economia mundial atingiram os ativos de risco, como as ações.

O ouro acabou por ser visto como ativo de refúgio e sobe 1,81%. Ao contrário o petróleo está em queda expressiva, quer o Brent que perde em Londres -5,26% para 55,42 dólares o barril, quem nos EUA onde o crude WTI decresce 5,06% neste altura para 50,68 dólares.

No seio empresarial destaque para os tombos dos setores mais cíclicos como o Viagens & Lazer, Recursos Naturais e Auto.

No plano macroeconómico os bons dados no sentimento empresarial alemão não trouxeram alterações ao pessimismo sentido nos mercados de capitais.

O sentimento empresarial alemão melhora inesperadamente em fevereiro.  O ifo Business Climate Index subiu de 96,0 pontos em janeiro para 96,1 pontos em fevereiro. Embora as empresas considerem a sua situação atual um pouco pior, estão menos pessimistas para os próximos seis meses. A economia alemã parece não ser afetada pelos desenvolvimentos em torno do coronavírus. Os resultados da análise e outros indicadores sugerem que o crescimento económico alemão no primeiro trimestre será de 0,2%.

Na indústria, o Índice de Clima de Negócios subiu pelo terceiro mês consecutivo. Isso ocorreu devido a expectativas consideravelmente menos pessimistas. No entanto, a avaliação que as empresas alemãs fazem da sua situação atual é pior. Os volumes de procura recuperaram um pouco, segundo o Ifo.

No setor de serviços, o indicador caiu novamente. Os prestadores de serviços ficaram um pouco menos satisfeitos com a situação atual. E também são mais céticos em relação aos próximos meses.

No comércio, o clima de negócios piorou. As recentes melhorias na situação atual e nas expectativas para o futuro sofreram um revés. Somente no retalho o índice de expectativas aumentou.

Na construção, o índice caiu mais uma vez. Isso foi resultado das expectativas mais pessimistas das empresas. Por outro lado, a avaliação da situação atual foi um pouco melhor.

O euro sobe 0,15% para 1,0863 dólares.

O pânico coronavírus ataca também o mercado de dívida soberana com a dívida italiana a 10 a disparar 5,7 pontos base para 0,968%. Portugal vê os juros caírem 1,2 pontos base para 0,225%.

 

 

Ler mais

Relacionadas

Wall Street negoceia no vermelho contagiado pelos receios das congéneres europeias devido ao coronavírus

O Dow Jones perde 2,65%, para 28.223,53 pontos, o S&P 500 cai 2,56%, para 3.253,47 pontos, e o Nasdaq desvaloriza 2,89%, para 9.297,77 pontos.

Mundo tem de se preparar para uma “eventual pandemia”, diz OMS

“Devemos concentrar-nos na contenção [da epidemia], enquanto fazemos todo o possível para nos prepararmos para uma possível pandemia”, disse Tedros Adhanom Ghebreyesus, numa conferência de imprensa em Genebra.

“As pessoas têm medo, até de um simples aperto de mão”. Portuguesa em Itália conta como se lida com o coronavírus

“Na zona de Milão, os supermercados estão completamente vazios e não se encontra máscaras de proteção facial em lado nenhum”, relata ao JE uma jornalista portuguesa que reside na zona da Toscana, perto de Florença, região onde, para já, tudo está tranquilo no que diz respeito a casos de coronavírus.
Recomendadas

“Corremos o risco de a zona euro quebrar”, afirma governador do Banco de Portugal

Carlos Costa diz que “nenhuma economia está preparada para uma crise desta natureza” e volta a defender os ‘coronabonds’, em entrevista ao semanário “Expresso”.

Wall Street cai mais de 3% apesar da “bazuca” de 2,2 biliões de dólares

Março de 2020 ficará para a história dos mercados como um dos meses mais loucos de sempre. NYSE fechou em queda num dia em que Congresso dos Estados Unidos entrega um pacote de resgate de 2,2 biliões de dólares.

Bolsas regressam às quedas com setor automóvel a liderar. BCP cai 4% ao adiar dividendos

As desvalorizações mais expressivas dos setores Auto e de Viagens & Lazer espelham a preocupação dos investidores quanto à evolução da pandemia Covid-19, segundo a análise do analista da Mtrader. O BCP cai em bolsa 4% depois de cancelar dividendos e em dia de moratória de créditos.
Comentários