Coronavírus: linha de emergência social da Madeira deve estar disponível em abril

O vice-presidente do Governo da Madeira disse que pediu ao Governo da República que reserva-se uma verba de sete milhões de euros, específica para a região, inseridas nas linhas nacionais de apoio às empresas que têm vindo a ser anunciadas.

Mariscal/EPA via Lusa

A linha de emergência social para apoio social no valor de cinco milhões de euros, do Governo da Madeira, deve ficar operacional em abril, anunciou Pedro Calado, vice-presidente do Governo Regional.

Nesta fase, explicou o governante está a ser efectuada uma regularização desta linha de apoio de emergência social, que visa diminuir os efeitos do coronavírus Covid-19.

As empresas da Madeira terão acesso às linhas de crédito nacionais, que totalizam três mil milhões de euros. Pedro Calado disse que tem conhecimento que muitas empresas regionais têm feito essas candidaturas, e que apelou ao Governo da República que reserva-se uma verba específica da Madeira, no valor de 2,97%, que totalizariam sete milhões de euros, mas que até ao momento não foi facultado esse acesso.

Devido à falta de resposta, Pedro Calado disse que a região foi obrigado a abrir um linha de crédito exclusiva da região no valor de 100 milhões de euros, que estar montada num espaço entre 10 a 12 dias.

Recomendadas

Madeira atinge os 50 casos positivos de coronavírus

Esta semana termina a quarentena obrigatória para um primeiro grupo que cumpre o isolamento em unidade hoteleira. Neste sentido, foram já realizados 27 testes de rastreio à Covid-19 que aguardam resultado.

Cartões contactless com novo limite de 50 euros

Esta medida surge no âmbito da pandemia da COVID 19, procurando assim o Governo alargar e manter as recomendações de distanciamento social, incentivando-se os pagamentos “sem contacto”.

Linha de apoio a empresas da Madeira de 100 milhões de euros tem acesso universal

O início da operação será entre 20 e 24 de abril, e o período de vigência até 31 de dezembro de 2020. Se existir quebra de faturação de 40% e se as empresas mantiverem os postos de trabalho no período de carência de 18 meses o apoio transforma-se em fundo perdido.
Comentários