“Cortes na produção de crude deram um sinal muito claro ao mercado”, diz presidente da Partex

António Costa Silva explicou que a queda abrupta dos preços contaminou os mercados de ações, de crédito, das outras commodities e arrastou a economia mundial. “O petróleo é o centro nevrálgico do funcionamento da economia global”, vincou o presidente gestora de ativos petrolíferos, num webinar.

Os cortes na produção de petróleo iniciados este mês pelos membros da OPEP, pela Rússia e pelos Estados Unidos foram cruciais para a recuperação e a estabilização dos preços, uma tendência que é importante para estabilizar também a economia global, afirmou António Costa Silva, presidente da gestora portuguesa de ativos petrolífera Partex.

Num webinar organizado pela Ordem dos Engenheiros, o presidente da Partex, que a Fundação Calouste Gulbenkian vendeu aos tailandeses da PTT Exploration and Production por 622 milhões de dólares em novembro de 2019 recordou que a indústria petrolífera foi uma das primeiras ‘vítimas’ da crise provocada pela pandemia da Covid-19, e que  “mesmo hoje temos pelo menos 50% do PIB mundial paralizado”.

“Muitas das cadeias de transporte pararam, sobretudo da aviação, e evidementemente o preço do petróleo declinou de uma forma significativa e chegou mesmo a níveis negativos”, adiantou.

Recordou que os preços já recuperaram, com o barril Brent  a negociar perto dos 35 dólares após ter tocado num mínimo de 19,33 dólares a 21 de abril,  e o West Texas Intermediate nos Estados Unidos a cotar nos 31,80 dólares depois de o contrato anterior para entrega no final de maio ter atingido um preço negativo de 37,63 a 20 de abril, pressionado pelo excesso de oferta e a escassez de espaço de armenzagenagem para os stocks.

“Houve uma recuperação e uma estabilização que é assente nos cortes que foram introduzidos ao nível da produção sobretudo a OPEP mais a Rússia e os próprios Estados Unidos”, referiu Costa Silva. “A combinação desses cortes deu um sinal muito claro aos mercados que os principais atores estavam interessados em conter a produção e não podemos esquecer que houve um declínio de cerca de 30% na procura mundial de petróleo, de um dia para o outro com o efeito desta crise”.

Para o presidente da Partex, a questão central é que a economia mundial tem ainda o petróleo como “o centro nevrálgico” do seu funcionamento.

“Quando houve esta queda, ela contaminou os mercados de equities, de crédito, das outras commodities e arrastuo por si a economia mundial, portanto uma certa estabilização dos preços do petróleo é boa para estabilizar o resto da economia mundial”, vincou.

Questionado sobre como é que a variação dos preços do petróleo afecta a economia portuguesa, Costa Silva sublinhou que Portugal atingiu o pico do consumo de petróleo em 2005, nos 330 mil barris por dia. “Hoje estamos a consumir cerca de 220 mil barris por dia, portanto a esse nível o país ajustou-se”, disse.

“É evidente que uma queda expressiva de 10 dólares no preço do barril de petróleo tem um um impacto directo no nosso PIB na ordem dos 0,5%, portanto é significativo”, explicou.

“Temos uma factura energética que resulta da importação de petróleo, gás e carvão que é da ordem dos 5% do PIB, ainda é significativo, portanto tudo que é declínio do preço representa menor factura energética e mais folga em termos das empresas e do conjunto da atividade económico”, concluiu.

Ler mais

Relacionadas

Reindustrialização falha por “pouca inteligência de políticas públicas”, considera presidente da Partex

Durante um ‘webinar’, de um ciclo promovido pela Ordem dos Engenheiros, o responsável da Partex atribuiu os sucessivos falhanços de anteriores programas de relançamento da industrialização à “pouca inteligência das políticas públicas”.

Indústria petrolífera vai perder empresas, aponta presidente da Partex

As companhias já estão a fazer “cortes brutais” nas despesas de investimento e nas despesas operacionais, uma revisão da estrutura de custos. “Se olhar para uma Saudi Aramco, há cortes de 30% no investimento, há cortes significativos também na parte operacional”.
Recomendadas

Azul votou favoravelmente a saída da TAP. Estado tem luz verde para a reestruturação

“Neeleman tinha a TAP na mão, com 84,2% dos direitos económicos”, recorda um ex-quadro da TAP. Mas a hipótese da nacionalização da companhia acelerou a saída dos brasileiros da Azul, que votaram favoravelmente o “adeus” à TAP esta segunda-feira, 10 de agosto, no Estado de São Paulo.

Gaia aprova intervenções em empreendimentos sociais no valor de 20 milhões de euros

“Na próxima semana já começam obras em vários”, disse esta tarde, em reunião camarária, o presidente da câmara de Vila Nova de Gaia, Eduardo Vítor Rodrigues, sobre um investimento que resulta de candidatura Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano (PEDU).

Empresas com novo apoio à retoma recebem ajuda para subsídio de Natal em 2021

A jurista Alexandra Marcelino explicou que o trabalhador com redução de horário no âmbito do novo apoio extraordinário à retoma progressiva da atividade “tem direito a subsídio de Natal por inteiro”.
Comentários