Costa diz que novas medidas são para abanar o país e alterar comportamentos

Questionado sobre a possibilidade de Portugal regressar, no futuro, a um confinamento geral, António Costa resistiu à ideia pelos custos sociais e económicos que lhe estão associados e insistiu que, nesta fase, “é no comportamento individual” que está a chave da questão.

O primeiro-ministro diz que as novas medidas decretadas na quarta-feira por causa da pandemia, que incluem a declaração do estado de calamidade, surgiram porque era preciso dar um abanão ao país para que se alterem comportamentos.

Numa entrevista que será publicada na sexta-feira na íntegra no jornal Público, António Costa revela ainda que estão a ser preparadas unidades de campanha em Lisboa para estender a capacidade do Serviço Nacional de Saúde, à semelhança do que acontece no Porto e que o hospital de campanha de Santa Maria será reativado.

Na entrevista, parte da qual o Púbico hoje antecipa, o primeiro-ministro diz que o executivo sentiu necessidade de “enviar um sinal claro” aos portugueses de que é preciso alterar comportamentos.

Rejeitou que as medidas tivessem a ver com “o número mágico” das duas mil infeções diárias, ultrapassado na quarta-feira, e preferiu justificar a decisão com a “situação grave que o país está a viver de subida consistente dos casos” desde meados de agosto.

“Senti muito claramente que era preciso haver um abanão na sociedade”, reconheceu António Costa, acrescentando: “O tempo foi passando, as pessoas foram ficando saturadas, foram-se habituando ao risco ou desvalorizando o risco porque a faixa etária [dos contágios] foi mudando”.

Questionado sobre a possibilidade de Portugal regressar, no futuro, a um confinamento geral, António Costa resistiu à ideia pelos custos sociais e económicos que lhe estão associados e insistiu que, nesta fase, “é no comportamento individual” que está a chave da questão.

“Se posso jurar a pés juntos que não serão dados passos dramáticos? Não posso. É uma questão de bom senso. Mas temos de o evitar”, afirmou.

O primeiro-ministro elogiou o SNS, dizendo que hoje “está mais bem preparado para lidar com a doença” e que o sistema está pronto para crescer consoante as necessidades.

Adiantou que “estão a ser acionadas extensões de campanha” em Lisboa, à semelhança do que acontece no Porto, explicando: “o Hospital das Forças Armadas já foi reativado e está a ser preparado outro hospital de campanha, em frente ao Santa Maria, na Cidade Universitária”.

“Temos capacidade de resposta. Os hospitais funcionam em rede, é possível gerir fluxos em função das necessidades variáveis de um hospital para outro”, disse.

António Costa anunciou na quarta-feira novas medidas para travar o aumento do número de casos de covid-19, entre as quais a situação de calamidade para todo o território nacional, que se manterá pelo menos até final do mês.

O Governo vai ainda tentar tornar, através de um projeto-lei, que o parlamento torne obrigatória em contexto laborar e escolar a aplicação StayAway Covid.

Ao Público, Costa adiantou não houve nenhuma conversa prévia com os partidos sobre a matéria.

No texto entregue pelo Governo na Assembleia da República, a que a Lusa teve acesso, prevê-se um regime de multas entre os 100 e os 500 euros para os casos de incumprimento da lei.

O artigo 4.º da lei define que “é obrigatória, no contexto laboral ou equiparado, escolar e académico, a utilização da aplicação Stayaway Covid pelos possuidores de equipamento que a permita”.

E determina-se que esta obrigatoriedade “abrange em especial os trabalhadores em funções públicas, funcionários e agentes da Administração Pública, incluindo o setor empresarial do Estado, regional e local, profissionais das Forças Armadas e de forças de segurança”.

Já sobre o uso de máscara nas ruas, o texto define que será obrigatório sempre “se mostre impraticável” manter a distância física entre pessoas.

A lei fixa três exceções para esta obrigação, no caso de “se tratar de pessoas com deficiência cognitiva, do desenvolvimento e perturbações psíquicas”, que devem ter um atestado médico de incapacidade multiusos ou declaração médica.

Está igualmente prevista a excepção para pessoas com “condição clínica” que “não se coaduna com o uso de máscaras”, atestada através de declaração médica.

Ler mais
Relacionadas

Governo anuncia Estado de Calamidade para todo o território nacional

Revelação foi efetuada por António Costa à saída da reunião do Conselho de Ministros. Proibição de ajuntamentos superiores a cinco pessoas e a proposta ao Parlamento para que o uso de máscara se torne obrigatório em empresas, escolas, universidades, forças armadas, forças de segurança e Função Pública.

Portugal pode chegar às três mil novas infeções por dia, alerta Marta Temido

“Os modelos disponíveis apontam para um crescimento que pode situar-se perto dos três mil casos de infeção por Covid-19 em Portugal se não tivermos o cuidado necessário”, avisou a governante em conferência de imprensa.

Governo quer tornar obrigatório uso de máscara na rua e da app anti-Covid

O Governo vai propor ao Parlamento o uso obrigatório de máscara na rua e quer aprovação da medida rapidamente. Já o uso da app anti-Covid deve ser obrigatório em empresas, escolas, universidades, forças armadas, forças de segurança e Função Pública, afirmou o primeiro-ministro.

Governo aposta na calamidade como arma para prevenir a emergência

António Costa procura que as novas medidas impeçam a rutura do Serviço Nacional de Saúde devido ao aumento do número de infeções com Covid-19 numa conjuntura em que também está a gerir a aprovação do Orçamento do Estado para 2021 e o Plano de Recuperação e Resiliência. Ónus das medidas mais polémicas será dividido com a Assembleia da República.

“Nos restaurantes as regras têm de ser mais apertadas”, alerta Bastonário da Ordem dos Médicos

Em declarações ao Jornal Económico, bastonário da Ordem dos Médicos aplaude medidas anunciadas pelo primeiro-ministro para limitar a transmissibilidade do novo coronavírus, mas considera que é preciso reforçar medidas na restauração. Miguel Guimarães apela ainda para “uma mudança imediata de rumo na estratégia do SNS” e diz que ideias do Plano Outono-Inverno ainda não saíram do papel. E reforça o alerta que o SNS está novamente exposto “a uma disrupção grave no seu funcionamento”.
Recomendadas

Sindicato exige proteção dos profissionais de saúde e apela ao fim da “propaganda”

O SIM explica que menos de um quinto dos profissionais de saúde fizeram a primeira dose nas Forças Armadas, na Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, Cruz Vermelha, misericórdias de todo o país e, quanto ao SAMS ainda não há data prevista.

STOP entrega pré-aviso de greve que abrange professores e auxiliares de todos os níveis de ensino

Sindicato de Todos os Professores diz que “caso seja necessário, está preparado para efetivar uma greve de forma a proceder de acordo com os superiores interesses de todos os que trabalham e estudam”.

Explosão em prédio destrói três andares de um edifício em Madrird

Explosão atingiu os três últimos andares de um prédio. Uma residência de idosos foi evacuada.
Comentários