PremiumCotadas perderam 800 milhões em ano de pandemia

Sector energético foi aquele que mais contribuiu para quebra homóloga dos lucros, sobretudo devido aos prejuízos da Galp. Pandemia foi justificação generalizada nas contas das cotadas.

As maiores empresas portuguesas, que estão cotadas no principal índice bolsista nacional (PSI 20), não saíram incólumes do ano pandémico que foi 2020. Registaram quebras nos lucros, menos receitas e os respetivos EBITDA [lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização ] enfraqueceram. Comparativamente com 2019, os resultados líquidos das maiores cotadas nacionais encolheram 799,9 milhões de euros no último ano (3.213,9 milhões em 2019 face aos 2.414 em 2020), de acordo com os relatórios de contas de 16 das 18 cotadas do PSI 20 (falta conhecer as contas da Mota-Engil e da Ibersol).

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Relacionadas

Infografia | Ano pandémico trava expansão das maiores empresas portuguesas

Menos lucros, menos receitas e menos EBITDA. No ano pandémico de 2020, as empresas do PSI 20, o principal índice bolsista português, viram as suas operações perder o fulgor conquistado em 2019. Entre as contas já conhecidas, só a EDP e a EDP Renováveis viram os lucros crescer. A Galp, um dos pesos pesados, passou mesmo de lucros a prejuízos.
Recomendadas

Livro revela que Elon Musk tentou ser CEO da Apple, mas dono da Tesla desmente rumor

“Não quero ser CEO de nada”, escreveu o Elon Musk na rede social Twitter na passada sexta-feira.

Testes de ‘stress’ do BCE analisaram Novo Banco entre os 51 médios e pequenos bancos abrangidos

De acordo com os dados publicados pela instituição, o banco liderado por António Ramalho poderia, num cenário adverso, perder entre 600 e 899 pontos base e atingir um CET1 ‘fully loaded’, ou seja, tendo em conta futuras exigências de capital, abaixo de 8%.

Discotecas podem reabrir no domingo com regras da restauração, afirma associação

“Um estabelecimento que é considerado como discoteca tendo o CAE de bar, à imagem daquilo que os bares podem fazer, neste momento, que é estar abertos até às duas da manhã, com regras da restauração, sendo que estas regras da restauração não é obrigatoriedade de servir comida, mas sim têm a ver com distanciamento entre mesas, o número limitado de pessoas por mesa ou a exigência de certificado digital à porta durante o período de fim de semana, portanto estas regras da restauração aplicadas aos bares permitem também a discotecas com CAE de bar que o façam”, declarou o presidente da ADN.
Comentários