Covid-19: Airbnb regista quebra de 32% das receitas até setembro

A receita da plataforma de aluguer de habitação registou uma quebra de 32%, passando dos 3,11 mil milhões de euros, para os 2,10 mil milhões de euros.

A pandemia da Covid-19 atingiu em força a plataforma de aluguer de habitação Airbnb. A empresa norte-americana que já tem cima da mesa um pedido de uma oferta pública inicial (IPO) registou nos primeiros nove meses do ano perdas de 587 milhões de euros, revela o “Business Insider” esta terça-feira, 17 de novembro.

Durante este período, a Airbnb registou uma quebra de 32% nas suas receitas, passando dos 3,11 mil milhões de euros, para os 2,10 mil milhões de euros. Em 2019, a receita anual tinha-se fixado nos quatro mil milhões de euros.

Olhando para o terceiro trimestre, as receitas da plataforma caíram quase 18% face ao mesmo período homólogo de 2019, tendo registado um lucro de 184 milhões de euros, sendo que o total de receitas atingiu os mil milhões de euros.

Em 2020, foram reservadas 146,9 milhões de noites ou experiências na plataforma Airbnb, uma queda de 41% em relação ao mesmo período do ano passado. A queda mais acentuada aconteceu durante o segundo trimestre, com as reservas a cairem 67%.

Contudo, e com os casos de Covid-19 a aumentarem a nível mundial, a Airbnb espera quebras mais altas nas reservas e cancelamentos durante o quarto trimestre. Em maio, a Airbnb esperava que a sua receita anual fosse menos de metade dos seus em 2019, cenário que levou a plataforma a despedir 1.900 funcionários, o equivalente a 25% da sua equipa.

A Airbnb revelou ainda que sofreu perdas anuais de receitas líquidas de 58 milhões de euros, 14 milhões e 568 milhões de euros em 2017, 2018 e 2019, respetivamente, assumindo que o mesmo cenário de quebra acontecerá em 2020.

Ler mais
Recomendadas

“Sobreviver a Pão e Água”. “Centenas” de membros do movimento dispostos a regressar à greve de fome se Governo não aprovar medidas exigidas

Movimento diz que Governo disse que iria apresentar em breve várias das medidas por si exigidas. Se até dia 11 de dezembro, não apresentar as restantes medidas ameaçam que com o regresso à greve de fome em frente ao Parlamento e por todo o país, com “mais de uma centena de pessoas”.

Sindicato denuncia que Ryanair se prepara para despedir 23 tripulantes no Porto enquanto abre processo de recrutamento

O SNPVAC denuncia que, ao mesmo tempo que a companhia aérea avança para o despedimento coletivo, já está a realizar cursos para novos tripulantes “violando grosseiramente o Código de Trabalho”, segundo o sindicato.

Costa adia anúncio de medidas de apoio para as rendas do comércio e da restauração

A 21 de novembro, o primeiro-ministro anunciou que as medidas de apoio para as rendas de lojas e restaurantes seria anunciada nos dias seguintes. Passados 15 dias, o Governo ainda não anunciou os apoios e adiou para a próxima semana.
Comentários