Covid-19: China regista 23 casos nas últimas 24 horas

A Comissão Nacional de Saúde da China informou hoje que o país asiático registou 23 novas infeções com o novo coronavírus nas últimas 24 horas.

Destes, 15 são de contágio local, todos eles na província noroeste de Xinjiang, onde foi detetado um surto há mais de três semanas.

Os oito casos restantes foram diagnosticados entre viajantes do estrangeiro, conhecidos como casos “importados”, cinco na província Cantão, dois em Xangai e um em Zhejiang.

As autoridades de saúde detalharam que, até à meia-noite local (17:00 de sábado, em Lisboa), 45 pacientes tiveram alta.

O número de infeções ativas na China continental é de 817, 43 dos quais permanecem em estado grave.

A Comissão não anunciou novas mortes por covid-19, mantendo-se o total desde o início da pandemia em 4.634, entre as 84.619 pessoas infetadas oficialmente diagnosticadas na China.

A pandemia de covid-19 já provocou cerca de 722 mil mortos e infetou mais de 19,4 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

Ler mais
Recomendadas

Biden e Trump defrontam-se pela primeira vez. Pandemia, tensão racial e impostos do presidente são os temas quentes

Com o aproximar das eleições presidenciais norte-americana, o primeiro debate realiza-se no meio de uma grande tensão política e social nos EUA, dada a pandemia e os protestos raciais que se seguiram à morte de George Floyd.

Bolsonaro diz que subsídios para os mais pobres na luta contra a pandemia não são eternos

De acordo com a imprensa brasileira, Bolsonaro justifica o aumento da despesa pública com a atribuição de subsídios aos mais carenciados, para mitigar efeitos da pandemia da Covid-19. Contudo, o presidente do Brasil diz que apoios não são para sempre.

Kuwait chora desaparecimento do emir Al-Sabah

O reinado do ‘pai dos árabes’, como era conhecido, começou em 2006 e foi marcado por um autoritarismo crescente. Externamente, era considerado um dos defensores da hegemonia árabe.
Comentários