Crise no setor de petróleo pode ser a pior em 100 anos, diz presidente da Petrobras

Presidente da petrolífera brasileira explica que as petrolíferas estão a ser duplamente afetadas pelo ambiente atual de negócios, atingido pela crise do Covid-19, em que tanto a procura como o preço do petróleo e derivados estão em queda, explicou o líder da estatal brasileria. Roberto Castello Branco defende que se está a viver um momento sem precedentes.

O impacto global causado pela pandemia de coronavírus pode resultar na pior crise do setor de petróleo em 100 anos, avalia o presidente da petrolífera brasileira Petrobras. Roberto Castello Branco explica que as petrolíferas estão a ser duplamente afetadas pelo ambiente atual de negócios, em que tanto a procura como o preço do petróleo e derivados estão em queda, explicou a presidente da empresa estatal à Agência  Brasil.

Castello Branco defende que sua percepção é de que se está a viver um momento sem precedentes.

“Isto é mais sério do que tivemos no passado. É talvez a pior crise sofrida pela indústria do petróleo em 100 anos. Não há fórmula para lidar com essa crise“, avançou o presidente da Petrobras no final da semana passada uma videoconferência com analistas e investidores para explicar respostas a esse cenário, citado pela Agência Brasil.

Roberto Castello Branco lembrou ter vivido outros momentos difíceis, como a crise da dívida dos países da América Latina nos anos 1980 e o choque financeiro de 2008.

O líder da petrolífera brasileira defende, no entanto, que se deve enfrentar a situação atual sem pânico, com transparência, agilidade e trabalho em equipa. “Temos de estar preparados para o pior cenário”, disse Castello Branco, destacando que a procura por combustíveis caiu significativamente no Brasil.

Sobre o mercado externo, o presidente da Petrobras previu o agravamento da crise nos Estados Unidos. E realçou que já há sinais de recuperação na China: “é importante, porque é o destino da maior parte de nossas exportações.”

Castello Branco e administradores da Petrobras avaliaram que ainda é cedo para prever que cenários serão produzidos pela crise, defendendo que as medidas anunciadas pretendem preparar a empresa para lidar com o preço do barril de petróleo a 25 dólares em vez de 40 dólares.

“A menos que aconteça algum evento inesperado, não prevemos uma recuperação significativa do preço do petróleo”, afirmou o presidente da petrolífera, reforçando que o cenário é de incerteza.

Sobre o programa de desinvestimentos, o presidente da estatal brasileira garantiu que haverá continuidade. Admitiu, porém, que o valor dos ativos foi afetado pela crise, sinalizando que será preciso analisar essa queda.

Ler mais

Recomendadas

António Costa deixa Haia “mais confiante” num acordo no Conselho Europeu

O primeiro-ministro, António Costa, disse hoje deixar Haia “mais confiante” num acordo no Conselho Europeu desta semana sobre o plano de recuperação europeu, por ter sentido também “claramente” no seu homólogo holandês “uma grande vontade” num compromisso.

Merkel manifesta incerteza sobre aprovação do plano de relançamento na cimeira europeia

A chanceler alemã Angela Merkel manifestou hoje incerteza pela possibilidade de um acordo entre os 27 países da União Europeia (UE) sobre um plano de relançamento de 750 mil milhões de euros proposto para enfrentar a pandemia do coronavírus.

Covid-19: Orçamento Suplementar da Madeira com reforço de 287,7 milhões de euros e sem agravamento fiscal

A proposta de Orçamento Suplementar da Madeira adiciona 287,7 milhões de euros ao valor aprovado para 2020, passando de 1.743 milhões de euros para 2.030 milhões, indicou hoje o vice-presidente do Governo Regional, sublinhando que não haverá qualquer agravamento fiscal.
Comentários