PremiumCovid-19 é o adversário comum aos 18 clubes da Liga NOS

No início de uma época em que vários craques estão de volta a Portugal e clubes do meio da tabela reforçaram-se em quantidade e qualidade, haverá uma 19.ª equipa que todos vão querer derrotar todas as jornadas.

Daqui a muitos anos, quando os estudiosos do futebol recordarem a época de 2020/21, irão contextualizá-la com um país em estado de contingência, uma economia em queda e o desemprego com perspetivas de crescimento. Tudo devido à pandemia de Covid-19, que mergulha em incerteza as contas dos clubes nacionais afetados sobretudo naquilo que fazem tão bem: vender talento.

Num mercado de transferências peculiar, o SL Benfica, vice-campeão nacional, está entre os clubes europeus que mais gastou em transferências: 80 milhões de euros, entre os quais 24 milhões no uruguaio Darwin Núñez, o futebolista mais caro da história do futebol português. Nas vendas, é o campeão FC Porto que apresenta a transação mais avultada: aos 18 anos, Fábio Silva ruma à Premier League por 40 milhões de euros e está nas dez contratações mais avultadas em Inglaterra. Mas apesar da conversa de milhões que mede quem está melhor para atacar a Liga, há um inimigo comum a derrotar.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

F1. Eleven Sports diz ter ganho mais subscritores com cobertura “sem precedentes” do Grande Prémio de Portugal

“O regresso da F1 a Portugal foi absolutamente histórico e não podíamos estar mais gratos por ter feito parte deste acontecimento. Apesar das normas impostas pela pandemia, que foram de facto desafiantes, preparámos uma operação sem precedentes”, contou gestor da Eleven Sports Portugal ao JE.

Arsène Wenger alerta: criação da Superliga europeia “destruirá a Premier League”

Quando questionado sobre se a criação da superliga europeia é uma decisão empresarial, Wenger responde que “atualmente vivemos um período onde os donos do clube são também eles investidores, ou seja, o principal objetivo deles é fazer dinheiro, e a superliga é uma maneira de o fazer”.

‘Pay per view’ da Premier League não convence adeptos e rende apenas cinco milhões de euros

Nenhum dos nove encontros excedeu os 100 mil espectadores, sendo que três destes ficaram a baixo da média mínima pretendida de 10 mil espectadores. Face aos números registados e, sem a expectativa que estes aumentem significativamente, a PL é forçada a repensar o custo por jogo, como forma de alcançar uma maior audiência durante o próximo mês.
Comentários