Covid-19: easyJet deixa em terra toda a frota de aviões

A empresa explica que chegou a um acordo com os sindicatos para aplicar o programa do governo para manutenção de empregos e pagar 80% do salário à tripulação de cabine a partir de quarta-feira, por dois meses.

A companhia aérea easyJet anunciou hoje que está a deixar toda a sua frota de aviões em terra até novo aviso devido ao colapso na procura por causa da pandemia de Covid-19.

Em comunicado, a companhia aérea de Luton, com sede em Londres, explica que a medida “elimina um custo significativo” e indica que receberá ajuda do governo para manter os seus trabalhadores.

A easyJet afirma que mantém “um balanço sólido” e está “em conversação com fornecedores de liquidez” para reforçar a sua continuidade assim que a crise causada pela disseminação do vírus for superada.

A empresa explica que chegou a um acordo com os sindicatos para aplicar o programa do governo para manutenção de empregos e pagar 80% do salário à tripulação de cabine a partir de quarta-feira, por dois meses.

A companhia aérea de voos baratos explica que a decisão de deixar em terra todas as suas aeronaves se deve a “restrições de viagens sem precedentes impostas pelo Governo” e ao “confinamento nacional” decidido por muitos países para combater a pandemia de Covid-19.

Lembra também que, nos últimos dias, colaborou com o trabalho de repatriamento e operou “mais de 650 voos de resgate” para fazer regressar a casa “mais de 45.000 clientes”, o que continuará a fazer se as autoridades solicitarem.

A easyJet afirma que “neste momento, não há certeza da data em que os voos comerciais podem retomar” e diz que avaliará a situação em função “da regulamentação e da procura”

A Virgin Atlantic e a irlandesa Ryanair já têm a maioria de suas aeronaves no solo e o grupo IAG, dono da Iberia, British Airways, Aer Lingus, LEVEL e Vueling, reduziu a sua capacidade em 75%.

A Virgin Atlantic já anunciou que quer recorrer a fundos do governo britânico – e outras companhias aéreas também o deverão fazer -, embora o Executivo conservador sustente que um resgate estatal do setor deve ser o último recurso e que as empresas devem tentar obter capital de outras fontes, como seus próprios acionistas.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia de Covid-19, já infetou mais de 697 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 33.200. Dos casos de infeção, pelo menos 137.900 são considerados curados.

Ler mais
Recomendadas

Estaleiros de Viana, CTT Logística e STCP apostam na inovação

A tecnologia está a diferenciar as novas soluções que respondem às necessidades dos serviços e negócios nascidos da rápida evolução que os mercados estão a ter no transporte e na logística.

Hotéis do grupo Prainha reabrem com 24 horas de intervalo em cada dormida

As unidades hoteleiras em Alvor e Lagos voltam a abrir portas na próxima sexta-feira.

Respostas rápidas: Como vai funcionar o novo Instrumento de Apoio à Solvabilidade europeu

O novo instrumento temporário proposto pela Comissão Europeia é dirigido a empresas “economicamente viáveis”, mas que enfrentam problemas de solvabilidade provocados pela crise da Covid-19. Quer desbloquear 300 mil milhões de euros para empresas situadas na União Europeia e um dos critérios de acesso é que com base nas contas de 2019 não apresentassem já necessidades de auxílios.
Comentários