Covid-19: FMI admite que crescimento mundial desça para 3,1% este ano

A diretora-geral do FMI admitiu que a previsão de 3,3% para o crescimento da economia mundial possa descer 0,1 ou 0,2 pontos percentuais devido à propagação do coronavírus.

A diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI) admitiu hoje que a previsão de 3,3% para o crescimento da economia mundial possa descer 0,1 ou 0,2 pontos percentuais devido à propagação do coronavírus.

“Por enquanto, a nossa previsão é de 3,3% e pode haver uma redução de 0,1 ou 0,2 pontos percentuais”, disse Kristalina Georgieva durante uma intervenção no Fórum Global das Mulheres, que decorre no Dubai.

“Este é um caso especial e peço a todos que não tirem conclusões precipitadas”, acrescentou a responsável, notando que “há muita incerteza e estes são cenários, não são projeções” do FMI.

Para Kristalina Georgieva, ainda é “muito cedo” para se conseguir estimar com alguma precisão o impacto da propagação do coronavírus Covid-19, mas deverá ter consequências mais profundas nos setores do turismo e do transporte.

“Não conhecemos a natureza exata deste vírus, não sabemos a que velocidade a China será capaz de contê-lo e se ele se espalhará mais pelo mundo, o que sabemos é que afetará as cadeias de valor globais”, acrescentou a diretora-geral do FMI.

Na quarta-feira, Georgieva já tinha dito à estação televisiva CNBC que o cenário mais provável passava por uma forte queda da atividade económica na China, seguida de uma rápida recuperação, tal como aconteceu durante a crise do SARS (vírus da síndrome respiratória aguda grave, responsável pela doença conhecida como gripe das aves), que matou quase 300 pessoas em 2002 e 2003.

Se a China conseguir conter a epidemia, “poderá haver uma pequena queda e uma recuperação muito rápida”, reiterou hoje, lembrando que o peso da China na economia mundial aumentou, desde então, “de 8% para 19% hoje”.

Quanto ao crescimento do país, já estava a abrandar naturalmente, disse Georgieva, sublinhando, no entanto, que “o abrandamento das tensões comerciais” entre Washington e Pequim, com a assinatura em janeiro de um acordo comercial preliminar, tinha permitido ao FMI prever uma melhoria na sua projeção de crescimento para este ano.

O FMI tinha revelado as suas mais recentes previsões para a economia mundial em 20 de janeiro, esperando uma recuperação de 3,3%, acima dos 2,9% registados em 2019, devido, em particular, a uma pausa na guerra comercial entre os Estados Unidos e a China, mas o relatório ressalvava que a recuperação era ainda frágil e que a incerteza poderia abrandar a recuperação.

O Fórum Global da Mulher decorre hoje no Dubai com a participação de muitas personalidades, incluindo Ivanka Trump, filha e conselheira do Presidente dos Estados Unidos da América, Donald Trump, e a ex-primeira-ministra britânica Theresa May.

O número de mortes na China causadas pelo coronavírus subiu para 1.665, depois de a Comissão Nacional de Saúde daquele país ter anunciado hoje mais 142 casos fatais nas últimas 24 horas.

Já o número de infetados na China continental (que exclui Macau e Hong Kong) é agora de 68.500, verificando-se um aumento de 2.009 casos nas últimas 24 horas.

Com estes números, o total de mortes a nível mundial é de 1.669. Além dos 1.665 mortos na China continental, há a registar um morto na região especial administrativa chinesa de Hong Kong, um nas Filipinas, um no Japão e um em França.

As autoridades chinesas isolaram várias cidades da província de Hubei, no centro do país, para tentar controlar a epidemia, medida que abrange cerca de 60 milhões de pessoas. Segundo o Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças (ECDC), há 44 casos confirmados na União Europeia e no Reino Unido.

Ler mais
Recomendadas

Quando um vírus serve para tentar legitimar as democracias musculadas

Populações são condescendentes com limitações no contexto de estado de emergência, mas há governos que tendem a exagerar as intrusões e a eternizar as medidas de exceção. Os suspeitos são os do costume.

Reino Unido poderá demorar mais de seis meses a regressar à normalidade

A previsão foi avançada durante o encontro virtual com os meios de comunicação, realizado diariamente a partir de Downing Street, – residência oficial do primeiro-ministro, Boris Johnson – que hoje contou também com o ministro britânico da Habitação, Robert Jenrick.

Alemanha. Ministro das finanças do estado de Hasse encontrado morto em linha do comboio

Thomas Schäfer tinha 54 anos e tinha aparecido recentemente em diversos eventos públicos para alertar para o risco do contágio da Covid-19. Era membro da CDU, o partido de centro-direita da chanceler Angela Merkel.
Comentários