PremiumCovid-19: O que esperar da vida depois das vacinas

Notícias animadoras nos ensaios clínicos das vacinas contra a Covid-19 trazem esperança de retoma económica, mas há razões para confinar o excesso de otimismo. Sendo a vacinação um processo de logística complicada e no qual demorará até haver imunidade de grupo, ninguém espera que o turismo volte tão cedo aos níveis pré-Covid. Certo está que o teletrabalho vai continuar a ser mais comum do que antes, mas as opiniões dividem-se quanto à cicatrização da crise.

Ter 95% de eficácia nos ensaios clínicos em curso pode muito bem ser o suficiente para alterar as regras do jogo da pandemia de Covid-19, até agora responsável por quase 1,4 milhões de mortes entre os mais de 56,9 milhões de infetados com o coronavírus SARS-CoV-2. O anúncio de que as vacinas que estão a ser desenvolvidas pela norte-americana Moderna e pela germânica BioNTech (em parceria com a Pfizer e a Fosun Pharma) ultrapassam essa fasquia de sucesso – após uma “revisão em alta” da BioNTech, que começou por invocar 90% – fez com que no mundo inteiro se vislumbrasse a luz ao fundo do túnel da maior crise de saúde pública deste século, associada a uma quebra na atividade económica que só não teve piores consequências graças a pacotes de estímulos económicos e programas de apoio social.

A perspetiva de regresso àquela normalidade que existia quando só alguns imunossuprimidos saíam à rua com máscara a cobrir o nariz e a boca, o teletrabalho era um fenómeno relativamente residual, ninguém tinha receio de viajar e os restaurantes e hotéis estavam cheios de turistas não demorou a animar os espíritos. Até porque a ministra da Saúde, Marta Temido, garantiu nesta quarta-feira que as primeiras doses das vacinas poderão ser distribuídas em Portugal a partir de janeiro, anunciando a criação de uma equipa de trabalho para gerir o processo. Mas deixando a ressalva de que, como tenderá a suceder em todo o mundo, serão destinadas num primeiro momento a profissionais de saúde e dos serviços essenciais e sociais, bem como à população em geral acima de uma certa idade e com morbilidades associadas.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

“Sobreviver a Pão e Água”. “Centenas” de membros do movimento dispostos a regressar à greve de fome se Governo não aprovar medidas exigidas

Movimento diz que Governo disse que iria apresentar em breve várias das medidas por si exigidas. Se até dia 11 de dezembro, não apresentar as restantes medidas ameaçam que com o regresso à greve de fome em frente ao Parlamento e por todo o país, com “mais de uma centena de pessoas”.

Natal e passagem de ano: estas são as 14 regras que vão vigorar

Restaurantes abertos até à uma da manhã nas noites de natal e de passagem de ano, e natal sem interdição de circulação entre concelhos são algumas da medidas que vão vigorar durante a época festiva. Governo avalia medidas a 18 de dezembro à luz da evolução da pandemia da Covid-19.

Costa adia anúncio de medidas de apoio para as rendas do comércio e da restauração

A 21 de novembro, o primeiro-ministro anunciou que as medidas de apoio para as rendas de lojas e restaurantes seria anunciada nos dias seguintes. Passados 15 dias, o Governo ainda não anunciou os apoios e adiou para a próxima semana.
Comentários