Covid-19: Portugal regista 40.104 casos confirmados e 1.543 mortes

Foram detetados mais 367 diagnósticos positivos e três mortes nas últimas 24 horas. Lisboa continua a ser o concelho mais atingido pelo novo coronavírus, contabilizando 3.238 casos confirmados.

António Cotrim/Lusa

Portugal conta com um total de 40.104 casos confirmados da Covid-19, mais 367 face ao dia anterior, revela o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde divulgado esta quarta-feira, 24 de junho. O número de vítimas mortais do novo coronavírus no país aumentou para 1.543, o que corresponde a mais três morte nas últimas 24 horas.

O boletim epidemiológico divulgado esta manhã indica que, até à data, foram registados 368.967 casos suspeitos e 1.586 pessoas ainda aguardam os resultados das análises laboratoriais da Covid-19. Atualmente existem 327.277 casos não confirmados após as análises, e 30.935 encontram-se sob vigilância das autoridades de saúde.

A DGS revela que atualmente existem 17.339 casos registados no Norte, 4042 .no Centro, 17.527 em Lisboa e Vale do Tejo, 552 no Algarve, 146 casos na Região Autónoma dos Açores, 92 na Região Autónoma da Madeira e 406 casos no Alentejo.

Atualmente existem 429 internados, dos quais 73 estão em Unidades e Cuidados Intensivos (UCI) e 26.083 casos recuperados em Portugal, mais 254 casos do que os registados ontem.

Do total de 1.543 mortes, 814 foram no Norte, 248 no Centro, 449 em Lisboa e Vale do Tejo, 15 no Algarve, 15 nos Açores, duas no Alentejo, não se registando nenhuma na Madeira.

O boletim da DGS contabiliza uma vítima mortal feminina entre os 30 e os 39 anos de idade, juntando-se às duas vítima mortal, feminina e masculina, entre os 20 e os 29 anos, existindo atualmente três óbitos confirmados abaixo dos 40 anos de idade.

Existem ainda oito vítimas mortais do sexo feminino e dez do sexo masculino entre na faixa etária entre os 40 e os 49 anos de idade. Registaram-se 34 vítimas do sexo masculino e 15 do sexo feminino na faixa etária dos 50 aos 59, 95 vítimas entre os 60 e os 69 do sexo masculino e 46 do sexo feminino, 179 óbitos masculinos e 119 óbitos femininos entre 70 e os 79 anos. Registam-se ainda 446 vítimas masculinas e 587 vítimas femininas com mais de 80 anos.

Lisboa é o concelho com mais casos confirmados, totalizando 3.238, seguindo-lhe Sintra com 2.370, Loures com 1.707, Vila Nova de Gaia com 1.628 e Amadora conta com 1.511. Porto com 1.414, Matosinhos com 1.292, Braga com 1.256 e Gondomar com 1.093.

Odivelas tem atualmente 1.017 casos, enquanto Maia tem 950, Cascais conta com 829, Valongo conta com 762, Guimarães soma 725 e Vila Franca de Xira soma 700. Ovar conta com 684, Oeiras com 676, Coimbra com 608, Almada conta com 558, Seixal contabiliza 549 casos e Santa Maria da Feira regista 498 casos confirmados. O número de casos importados fixou-se num total de 724.

O grupo etário com mais casos confirmados é dos 40 aos 49 anos (2.957 homens e 3.763 mulheres), com um total de 6.406, seguindo-se a dos 50-59 anos (2.665 homens e 3.724 mulheres), num total de 6.147. Existem 2.659 crianças e adolescentes infetados, entre os 0 e os 19 anos de idade. Atualmente existem 17.564 homens e 22.540 mulheres infetados pelo novo coronavírus.

O número de casos nas faixas etárias entre os 30 e os 39 anos e os 60 e 69 anos têm verificado aumentos. O boletim da DGS assume a existência de 2.970 homens e 3.359 mulheres infetados entre os 30 e 39 anos, e 1.945 homens e 2.234 mulheres com casos confirmados entre os 60 e 69 anos. Atualmente existem 3.428 mulheres e 1.641 homens com mais de 80 anos infetadas com Covid-19.

Também o grupo etário entre os 20 e os 29 anos de idade têm verificado um aumento considerável de casos positivos, sendo que até à data existem 2.678 homens e 3.112 mulheres com casos positivos. A faixa etária entre os 70 e 79 anos verifica 1.387 homens e 1.522 mulheres infetadas.

De acordo com o relatório hoje divulgado, existem 17 homens e 13 mulheres infetadas cuja idade a DGS não conseguiu apurar.

Em relação aos sintomas, os mais referidos são tosse (37%), febre (28%), dores musculares (21%), cefaleias (20%), fraqueza generalizada (15%) e dificuldades respiratórias (10%).

[Notícia atualizada às 13h08]

Ler mais
Relacionadas

Infografia | Reguengos de Monsaraz entre os concelhos que lideram novas infeções por Covid-19 nas últimas 24 horas

O concelho do distrito de Évora registou 46 novas infeções nas últimas 24 horas e só foi suplantada pelo concelho de Sintra. Dados são o resultado da comparação direta dos dois últimos relatórios diários da DGS.

Infografia | Covid-19: ponto de situação em Portugal a 23 de junho

Veja aqui a evolução do novo coronavírus em Portugal, com os indicadores disponibilizados pela Direção-Geral da Saúde (DGS).

Infografia | Concelho de Cinfães com 60 infetados nas últimas 24 horas

O concelho do distrito de Viseu foi, de longe, o que registou o maior número de infetados nas últimas 24 horas. Lisboa e Vale do Tejo continua a dominar a lista de concelhos onde se detetaram mais infetados. Dados são o resultado da comparação direta dos dois últimos relatórios diários da DGS.

Covid-19. Portugal com mais seis mortos e 345 novos casos confirmados

Todos os seis óbitos registados de dia 22 para dia 23 de junho verificaram-se na região de Lisboa e Vale do Tejo. Dados revelam ainda que existem 441 internados, 72 dos quais estão em unidades de cuidados intensivos. Casos recuperados ascendem hoje aos 25.829.
Recomendadas

Reino Unido atinge recorde de novos casos diários confirmados desde maio

O Reino Unido regista agora 385,936 casos confirmados desde o início da pandemia, dos quais resultaram 41,732 óbitos.

Portugal regista mais 770 casos e 10 mortes por Covid-19 nas últimas 24 horas

As autoridades sanitárias contabilizaram mais 266 altas nas últimas 24 horas, elevando para 44.794 o número total de pessoas livres do vírus.

Ordem preocupada com atrasos na colocação de novos médicos de família

“Os cuidados de saúde primários são essenciais e tendo em consideração que ainda há mais de 700 mil portugueses sem médico de família, estas contratações são particularmente importantes”, explica o Bastonário da Ordem dos Médicos Miguel Guimarães.
Comentários