Covid-19: Rússia anuncia produção do primeiro lote de vacina

O presidente russo disse na terça-feira que uma primeira vacina “bastante eficaz” foi registada na Rússia pelo Centro de Pesquisa em Epidemiologia e Microbiologia Nikolai Gamaleïa, em Moscovo, em parceria com o Ministério da Defesa russo.

A Rússia anunciou hoje que já produziu o primeiro lote de vacinas contra o novo coronavírus, anunciadas no início da semana por Vladimir Putin, mas olhadas com ceticismo pelo resto do mundo.

“O primeiro lote da nova vacina contra o coronavírus do Centro de Pesquisa Gamaleïa foi produzido”, divulgou o Ministério da Saúde russo em comunicado citado por agências de notícias russas.

O presidente russo disse na terça-feira que uma primeira vacina “bastante eficaz” foi registada na Rússia pelo Centro de Pesquisa em Epidemiologia e Microbiologia Nikolai Gamaleïa, em Moscovo, em parceria com o Ministério da Defesa russo.

Putin chegou a dizer que uma das suas filhas tinha sido inoculada com a vacina batizada de “Sputnik V” (V de vacina), uma referência ao satélite soviético, o primeiro aparelho espacial colocado em órbita em 1957, durante a Guerra Fria.

Os investigadores ocidentais lançaram, no entanto, dúvidas sobre o anúncio, tendo alguns argumentado que uma vacina desenvolvida à pressa pode ser perigosa, enquanto a fase final dos testes só começou esta semana.

O diretor do Centro Gamaleïa, Alexander Guintsbourg, disse no sábado que os voluntários que participaram da última fase do teste receberão duas vacinas.

O fundo soberano russo envolvido no desenvolvimento da vacina disse que a produção industrial deveria começar em setembro e que mais de um bilhão de doses foram encomendadas por 20 países estrangeiros.

Desde o início da investigação, o Instituto Gamaleïa tem sido acusado de violar os protocolos habituais para acelerar o processo científico.

Até agora a Rússia não publicou um estudo detalhado para verificar os seus resultados de forma independente.

O ministro da Saúde da Rússia, Mikhail Murashko, disse esta semana que a vacina estaria disponível primeiro para os profissionais de saúde e depois para todos os voluntários russos.

Com mais de 917 mil casos confirmados oficialmente, a Rússia é atualmente o quarto país mais afetado pela epidemia no mundo, ficando apenas atrás dos Estados Unidos, Brasil e Índia.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 760 mil mortos e infetou mais de 21 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Ler mais
Relacionadas

“Não confio nas vacinas russas em geral e definitivamente não serei vacinada”. Russos desconfiam da ‘Sputnik V’

Depois de ter anunciado o registo da primeira vacina para combater a Covid-19, Vladimir Putin informou que o primeiro lote será lançado dentro de duas semanas e que os médicos deverão ser vacinados com a mesma.

Vacina russa pode ser perigosa e não foi devidamente testada, alerta Alemanha

“Pode ser perigoso começar a vacinar em milhões de pessoas muito cedo, porque isso pode acabar com a aceitação da vacinação se correr mal; por isso estou muito cético sobre o que está a acontecer na Rússia”, apontou o ministro da saúde alemão, Jens Spahn, à rádio alemã Deutschlandfunk esta quarta-feira.
Recomendadas

França regista recorde de novos casos de Covid-19

Com 16 mil infetados em 24 horas, os números da pandemia em França continuam a agravar-se todos os dias, fazendo temer novas medidas de controlo sanitário.

Reino Unido: Infeções por Covid-19 nas últimas 24 horas batem novo recorde diário

O total acumulado desde o início da pandemia covid-19 no Reino Unido passou hoje para 416.363 de casos de contágio confirmados e para 41.902 óbitos num período de 28 dias após um teste positivo.

Finlândia só vai permitir entrada livre a turistas de 13 países

A designada “lista verde” finlandesa integra os países onde foram detetados um máximo de 25 novos contágios por cada 100.000 habitantes e até agora incluía cerca de 20 Estados, como a Alemanha, um dos que ficou de fora.
Comentários