Covid-19: Sonae Capital congela distribuição de 15 milhões de euros em dividendos

Empresa liderada por Miguel Gil Mata decidiu reverter a distribuição de dividendos prevista para já devido ao clima de incerteza gerado pela crise da Covid-19. E admite reavaliar a remuneração aos acionistas quando “existir uma maior visibilidade sobre o futuro”

A Sonae Capital anunciou esta segunda-feira que afinal não vai distribuir 15 milhões de euros em dividendos relativos ao exercício de 2019.

Em comunicado divulgado na Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a empresa liderada por Miguel Gil Mata informou que “face ao contexto de elevada incerteza resultante da pandemia Covid-19 e consequente estado de emergência em Portugal, o seu conselho de administração deliberou, à data de hoje, reverter a proposta anteriormente anunciada de distribuição de dividendos”.

Em 2019, a Sonae Capital registou prejuízos de 12 milhões de euros, mas queria remunerar os acionistas em 15 milhões de euros, o que correspondia a um dividendo líquido de seis cêntimos por ação.

A decisão foi tomada “por prudência”, referiu a Sonae Capital, e teve por objetivo o de “assegurar uma acrescida estabilidade financeira” da empresa.

No entanto, a decisão não tem carácter definitivo, uma vez que está previsto que o conselho de administração “considera reavaliar quando existir uma maior visibilidade sobre o futuro, a normalidade de todas as suas operações seja retomada e, sobretudo, tendo em consideração a adequabilidade da estrutura de capitais à tipologia de activos e negócios em posse do Grupo”, conclui a nota.

Recomendadas

“Sobreviver a Pão e Água”. “Centenas” de membros do movimento dispostos a regressar à greve de fome se Governo não aprovar medidas exigidas

Movimento diz que Governo disse que iria apresentar em breve várias das medidas por si exigidas. Se até dia 11 de dezembro, não apresentar as restantes medidas ameaçam que com o regresso à greve de fome em frente ao Parlamento e por todo o país, com “mais de uma centena de pessoas”.

Sindicato denuncia que Ryanair se prepara para despedir 23 tripulantes no Porto enquanto abre processo de recrutamento

O SNPVAC denuncia que, ao mesmo tempo que a companhia aérea avança para o despedimento coletivo, já está a realizar cursos para novos tripulantes “violando grosseiramente o Código de Trabalho”, segundo o sindicato.

Costa adia anúncio de medidas de apoio para as rendas do comércio e da restauração

A 21 de novembro, o primeiro-ministro anunciou que as medidas de apoio para as rendas de lojas e restaurantes seria anunciada nos dias seguintes. Passados 15 dias, o Governo ainda não anunciou os apoios e adiou para a próxima semana.
Comentários