Covid-19: Sonae Capital congela distribuição de 15 milhões de euros em dividendos

Empresa liderada por Miguel Gil Mata decidiu reverter a distribuição de dividendos prevista para já devido ao clima de incerteza gerado pela crise da Covid-19. E admite reavaliar a remuneração aos acionistas quando “existir uma maior visibilidade sobre o futuro”

A Sonae Capital anunciou esta segunda-feira que afinal não vai distribuir 15 milhões de euros em dividendos relativos ao exercício de 2019.

Em comunicado divulgado na Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a empresa liderada por Miguel Gil Mata informou que “face ao contexto de elevada incerteza resultante da pandemia Covid-19 e consequente estado de emergência em Portugal, o seu conselho de administração deliberou, à data de hoje, reverter a proposta anteriormente anunciada de distribuição de dividendos”.

Em 2019, a Sonae Capital registou prejuízos de 12 milhões de euros, mas queria remunerar os acionistas em 15 milhões de euros, o que correspondia a um dividendo líquido de seis cêntimos por ação.

A decisão foi tomada “por prudência”, referiu a Sonae Capital, e teve por objetivo o de “assegurar uma acrescida estabilidade financeira” da empresa.

No entanto, a decisão não tem carácter definitivo, uma vez que está previsto que o conselho de administração “considera reavaliar quando existir uma maior visibilidade sobre o futuro, a normalidade de todas as suas operações seja retomada e, sobretudo, tendo em consideração a adequabilidade da estrutura de capitais à tipologia de activos e negócios em posse do Grupo”, conclui a nota.

Recomendadas

Associação Nacional de Discotecas pede que Governo assuma 100% das despesas das empresas

“Temos de perceber junto destas empresas qual foi a consequência de estarem fechadas até outubro. Vamos estar a falar de 19 meses de portas fechadas e o Governo vai ter de assumir esta consequência”, referiu o presidente da Associação Nacional de Discotecas ao JE.

“Patrocínio de atletas não é um jogo de amigos, é um negócio”. Especialista analisa críticas de Jorge Fonseca à Adidas e Puma

De modo a ajudar a entender a interpretação das marcas sobre a razão de não patrocinarem Jorge Fonseca, Daniel Sá refere, em entrevista ao JE, que “o patrocínio de atletas não é um jogo de amigos, é um negócio. Quando a marca decide investir em alguém quer duas coisas de volta: visibilidade e associação à personalidade do atleta”.

CEO da Páginas Amarelas: “Porta da loja não deve ser para a rua mas para o mundo. Investimento no digital é essencial”

António Alegre, CEO da “Páginas Amarelas”, referiu em entrevista à “Fast Talk” da plataforma multimédia JE TV que a pandemia veio mudar a perceção da necessidade de maiores investimentos no digital por parte das empresas.
Comentários