Covid-19. Turismo de Portugal vai comparticipar descontos na restauração e alojamento

O Governo vai lançar um esquema de comparticipação pública aos operadores dos setores da restauração, alojamento, transportes e cultura, que ofereçam descontos aos clientes, disse hoje o ministro de Estado, da Economia e Transição Digital, Pedro Siza Vieira.

António Cotrim/Lusa

O anunciou foi feito pelo ministro no encerramento da V Cimeira do Turismo Português, que decorreu hoje em Lisboa, tendo Siza Vieira indicado que a medida, que pretende estimular a procura interna, vai ser lançada na próxima semana, no dia 5 de outubro, com a comparticipação do desconto a cargo do Turismo de Portugal.

Em causa está a atribuição de uma comparticipação pública que cubra os descontos (que serão tabelados) que as empresas dos setores da restauração, alojamento, transportes e cultura façam aos seus clientes.

Ainda com o objetivo de estimular a procura interna, Siza Veira referiu também uma medida que já tinha sido anunciada pelo primeiro-ministro, na abertura esta cimeira, de um programa de apoio que permita recuperar parte do IVA suportado e novas compras naqueles setores.

A par das medidas de estímulo à procura, haverá também medidas para apoiar a liquidez das empresas e a manutenção dos postos de trabalho, estando o Governo a estudar a flexibilização da medida de ápio à retoma progressiva, que em agosto veio substituir o ‘lay-off’ simplificado.

“Contávamos com uma retoma mais intensa que não aconteceu no verão. Por isso vamos rever o regime do apoio à reforma progressiva, que se baseava num cenário em que haveria alguma retoma”, disse o ministro, precisando que “há empresas com perdas muito grandes” e será para essas que o regime será flexibilizado.

A flexibilização do sucedâneo do ‘lay-off’ simplificado já tinha também sido avançada pelo primeiro-ministro.

Em paralelo, o Governo vai também assegurar que para estas empresas “vai continuar” o regime de isenção da Taxa Social Única que vigorou no trimestre que agora acaba.

Ler mais

Relacionadas

“Não tenham pressa em conhecer o resto do mundo”. Marcelo pede a portugueses que passem férias “cá dentro”

Além do apelo aos portugueses para que continuem a passar férias em território nacional até ao verão de 2021, Marcelo Rebelo de Sousa defendeu ainda que a recapitalização do turismo “pode e deve ser feito com a ajuda do sistema bancário”.

Turismo do Algarve edita ‘Guia de Percursos Pedestres’ com 51 rotas na região

No total, são propostos 47 percursos de pequena rota (com menos de 30 quilómetros) e resumos de quatro percursos de grande rota (com mais de 30 quilómetros) existentes na região”.

Governo vai lançar linha de apoio à organização de eventos e comparticipar descontos dos operadores turísticos

“Contávamos com maior retoma no verão e procura pelo turismo”, afirmou o ministro da Economia. Pedro Siza Vieira referiu ainda que se procederá a uma revisão do regime do apoio à retoma progressiva.
Recomendadas

Edmundo Martinho vai liderar comissão para elaborar Estratégia Nacional de Combate à Pobreza

O Provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa e mais seis individualidades entre as quais Carlos Farinha Rodrigues, especialista em pobreza e desigualdades, integram a recém-criada comissão que irá elaborar a Estratégia Nacional de Combate à Pobreza que será apresentada pelo Governo até 15 de dezembro. Despacho que cria nova comissão foi hoje publicado em Diário da República e sinaliza que medidas terão em conta a “degradação” das condições materiais de muitos portugueses devido à pandemia.

Topo da agenda: o que não pode perder na economia e nos mercados esta semana

A semana será marcada pela discussão e votação na generalidade do Orçamento do Estado para 2021. Os analistas e investidores estarão ainda atentos à reunião do Banco Central Europeu e aos sinais que chegam sobre a economia, através da publicação da estimativa rápida do PIB da zona euro, do terceiro trimestre.
Vasco Cordeiro com Carlos César

Vasco Cordeiro diz que o PS teve “vitória clara e inequívoca” nos Açores

Líder do PS-Açores, que procura o terceiro mandato enquanto presidente do governo regional, defendeu que as eleições deste domingo “não foram um plebiscito ao governo regional”. E recusou-se a comentar paralelismos com o que aconteceu em 2015, quando a coligação liderada por Passos Coelho foi a mais votada, mas o seu governo acabou por ser derrubado na Assembleia da República.
Comentários