Covid-19: Vacina da Moderna desenvolvida em apenas dois dias

“O que podemos fazer é tornar isto numa forma totalmente nova de fazer medicamentos, vacinas, quase tudo”, apontou Bob Langer, um dos fundadores da Moderna sobre a vacina que foi desenvolvida com RNA mensageiro (mRNA).

A vacina contra a Covid-19 da Moderna, que foi considerada 94,5% eficaz na prevenção da doença em ensaios clínicos foi desenvolvida em apenas dois dias, segundo a Business Insider, esta quinta-feira, 26 de novembro.

Além do tempo recorde em que a vacina foi desenvolvida, o mais impressionante remete para o mês em que foi criada: em janeiro, antes de algumas pessoas sequer terem ouvido falar no vírus. Segundo a “Business Insider” não teria sido possível sem a tecnologia em que a Moderna aposta desde a sua fundação: as vacinas de RNA mensageiro (mRNA).

“O que podemos fazer é tornar isto numa forma totalmente nova de fazer medicamentos, vacinas, quase tudo”, apontou Bob Langer, um dos fundadores da Moderna à Business Insider.

O RNA mensageiro é um material genético que informa às células como produzir proteínas. Portanto, a vacina contra o coronavírus da Moderna foi construída através de uma injeção de um pequeno extrato de mRNA da Covid-19 que codifica a proteína spike do vírus. Essa proteína ajuda a despertar o coronavírus e a invadir as células. A vacina de mRNA da Moderna estimula o corpo a produzir internamente a proteína spike, o que desencadeia uma resposta imunológica.

Além da Moderna também a Pfizer, que a empresa diz ser 95% eficaz , utiliza o mRNA. A utilização deste material genético pelas empresas significa que precisam apenas da sequência genética da Covid-19 para fazer uma vacina – nenhum vírus vivo precisou ser cultivado em laboratórios. Por este motivo, ambas empresas conseguiram progredir em tempo recorde. Em contraste, para a maioria das plataformas de vacinas tradicionais, o processo pode levar anos .

 

Ler mais
Relacionadas

Vacinas são boas notícias mas terão que chegar a milhares de milhões, considera OMS

Na conferência de imprensa de acompanhamento da pandemia, o diretor-geral daquela agência das Nações Unidas, Tedros Ghebreyesus, afirmou que os resultados de pelo menos três vacinas já anunciados permitem ter “esperança real de que as vacinas, em conjunto com outras medidas de saúde pública comprovadas, ajudarão a acabar com esta pandemia”.

AstraZeneca poderá ter 200 milhões de doses a serem distribuídas ainda este ano

Responsáveis da farmacêutica garantem que haverão condições suficientes para 20 milhões de doses serem distribuídas em Inglaterra até ao final do ano, com substância suficiente para 70 milhões de doses para o Reino Unido até ao final do primeiro trimestre de 2021.
Recomendadas

Covid-19: Portugal comprou doses de vacinas suficientes para mais de 18 milhões de pessoas

Portugal já adquiriu 31 milhões de doses de vacinas para inocular os cidadãos contra o novo coronavírus. Ministério da Saúde explica que as 800 mil doses adicionais da vacina da Moderna não foram compradas porque seriam entregues apenas no final do ano.

Teste genético português ajuda a tratar doentes com uma gota de saliva

“Em ano e meio construímos um painel de laboratório em que, a partir de uma amostra de saliva que a pessoa pode colher em casa e enviar pelo correio, pois não se degrada à temperatura ambiente, no laboratório conseguimos extrair o DNA das células e ir a uma série de posições do genoma buscar, de uma forma agregada, toda a informação de que precisamos para cinco áreas terapêuticas: cardiologia, psiquiatria, gestão da dor, diabetes e oncologia”, explicou Ana Teresa Freitas, da startup portuguesa HeartGenetics.
rui_rio_psd

Rui Rio pede a António Costa que encerre as escolas a partir desta quinta-feira

Ainda em isolamento profilático, o líder social-democrata recorreu ao Twitter para se dirigir ao primeiro-ministro, criticando um “confinamento muito permissivo” de que o funcionamento pleno das escolas “é o caso mais evidente”.
Comentários