CPLP: Acordo de mobilidade foi o passo mais importante da comunidade, afirma Santos Silva

No final da reunião do Conselho de Ministros da CPLP, que decorreu sexta-feira em Luanda, o chefe da diplomacia portuguesa afirmou que foi aprovado o acordo de mobilidade, que será assinado sábado na presença dos chefes de Estado e de Governo dos nove Estados-membros da comunidade.

O ministro de Estado e Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, disse esta sexta-feira que o acordo de mobilidade aprovado no Conselho de Ministros da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) foi o passo mais importante da organização até agora.

No final da reunião do Conselho de Ministros da CPLP, que decorreu sexta-feira em Luanda, o chefe da diplomacia portuguesa afirmou que foi aprovado o acordo de mobilidade, que será assinado sábado na presença dos chefes de Estado e de Governo dos nove Estados-membros da comunidade.

“Este acordo foi o passo mais importante da CPLP até agora porque se trata de facilitar sistematicamente a circulação de nacionais de países da CPLP no espaço da comunidade e, no que diz respeito a Portugal, terá uma consequência evidente que é facilitar a concessão de visto e autorizações de residente a nacionais da CPLP para efeitos de estudo, de trabalho ou residência em Portugal”, salientou Santos Silva.

O governante realçou que não estão em causa os vistos de curta duração, aos quais se aplica a legislação Schengen, “mas trata-se sim de mudar – e muito – o regime de vistos nacionais facilitando a sua obtenção por parte de nacionais da CPLP”.

Sublinhou ainda que este objetivo é um grande legado deixado pela presidência cabo-verdiana da CPLP que vai transitar para Angola.

Na reunião dos ministros da CPLP foram também apresentadas as prioridades da presidência angolana e o foco que quer dar à cooperação económica, o que para o responsável da pasta dos Negócios Estrangeiros é “inteiramente justificado” e uma consequência lógica do acordo de mobilidade.

“Depois de anos em que consolidámos a CPLP como organização intergovernamental, chegamos à altura em que podemos, e devemos, consolidar a CPLP como uma comunidade de pessoas para além de Estados, nos quais facilitam a vida às pessoas”, frisou.

Na sessão de hoje, sexta-feira, foi também aprovado o plano de atividades para promover e difundir a língua portuguesa para os próximos anos. Augusto Santos Silva destacou neste âmbito o projeto financiado pelo Camões – Instituto da Cooperação e da Língua, que visa a elaboração do primeiro dicionário de português de Moçambique, ou seja, o primeiro dicionário de uma variedade africana da língua portuguesa.

A XIII Conferência de Chefes de Estado e de Governo da CPLP realiza-se no sábado, em Luanda.

Integram a CPLP Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste.

Recomendadas

Cabo Verde: Maioria aprova Orçamento e oposição admite ceder sem aumento de impostos

O parlamento cabo-verdiano aprovou a proposta de Orçamento do Estado para 2022, apenas com os votos do MpD, mas com o PAICV, na oposição, a admitir uma subida do endividamento caso o aumento de impostos não avance.

Angola: Tribunal mantém prisão para José Filomeno dos Santos

O plenário do Tribunal Supremo manteve a sentença de julgamento de José Filomeno dos Santos, ex-presidente do Fundo Soberano de Angola, condenado a cinco anos de prisão.

Campanha das eleições locais na Argélia marcada pelo boicote da oposição

Os argelinos são chamados sábado às urnas para elegerem os membros das assembleias populares comunais (APC) e das assembleias populares das wilayas (APW, departamentais).
Comentários