PremiumCPPME contesta método de distribuição de apoio a taxistas

Confederação das Micro, Pequenas e Médias Empresas excluiu-se de memorando de entendimento entre o executivo regional e três associações. E alerta que o dinheiro pode cair nas mãos erradas.

O sector do táxi foi abrangido por um apoio de 431,81 euros por cada trabalhador, incluindo gerentes e sócios-gerentes, para compensar a quebra de rendimento provocada pela pandemia de Covid-19. As associações AITRAM, TAXISRAM e ASAT assinaram um memorando de entendimento com o executivo regional e ficou de fora a Confederação das Micro, Pequenas e Médias Empresas (CPPME), que diz não ser contra o apoio, mas sim contra a forma como o dinheiro pode ser distribuído. A medida deve incluir 1.900 taxistas, num apoio que abrange também trabalhadores do sector da restauração e similares.

O dirigente regional da CPPME, Ricardo Azevedo, diz que a confederação não assinou este memorando de entendimento, ao contrário das outras três organizações que representam os táxis da região autónoma, por três motivos.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor. Edição do Económico Madeira de 12 de fevereiro.

Recomendadas

PremiumApostas online: Mercado vai continuar a crescer em 2021

Com casas de apostas fechadas e uma nova restrição de horários para a publicidade televisiva, as principais operadoras em Portugal decidiram reforçar a sua presença online. Serviço de Regulação e Inspeção de Jogos antecipa que a tendência de crescimento observada em 2020 se mantenha também este ano.

PremiumPortugal é um mercado “importante” para a chinesa Oppo

A fabricante de smartphones quer crescer na Europa e vai investir 6 mil milhões em ‘R&D’ em três anos. Em Portugal, “reforçar a presença” deve passar por acordos com operadores e retalhistas.

PremiumAtaque leva Biden a regressar a uma Síria onde não foi feliz

Iniciativa da Casa Branca é a primeira ação concreta que permite avaliar qual é a política da Casa Branca para uma região fundamental na geopolítica. Mas, para já, Joe Biden ainda vive sob o fantasma do seu antigo presidente, Barack Obama.
Comentários