Credit Suisse reforça administração com olhos postos na área do risco

“Os dois administradores darão uma contribuição inestimável à medida que desenhamos o realinhamento estratégico do banco e aperfeiçoamos a nossa cultura de gestão de risco e responsabilidade pessoal e prestação de contas”, refere António Horta-Osório, Chairman do Credit Suisse.

O Conselho de Administração do Credit Suisse irá propor, em Assembleia Geral Extraordinária, no próximo dia 1 de outubro, Axel P. Lehmann e Juan Colombas como membros não-executivos deste órgão.

Em comunicado o banco que tem António Horta Osório como Chairman, diz que, “dependendo da aprovação em AG, o Conselho de Administração pretende ainda nomear Axel Lehmann como Presidente do Comité de Risco sucedendo a Richard Meddings, que ocupou essa função temporariamente e acumulação com a de Presidente do Comité de Auditoria”.

O reforço da administração do banco suíço surge numa altura em que se prepara uma ampla revisão estratégica do negócio depois do papel do Credit Suisse nos escândalos financeiros da Archegos Capital Management e do Greensill.

O banco com sede em Zurique sofreu um abalo na sua reputação de gestor de patrimónios depois do duplo colapso dos “family office” [entidade de gestão e investimento do património de famílias com elevadas fortunas] Archegos Capital e da Greensill Capital.

O banqueiro português faz hoje uma declaração no comunicado enviado congratulando-se com a nomeação de Axel Lehmann e Juan de Colombas para o Conselho de Administração do Credit Suisse. “Com sua profunda experiência em gestão de risco e liderança empresarial, e ambas com carreiras de aproximadamente três décadas em serviços financeiros, os dois administradores darão uma contribuição inestimável à medida que desenhamos o realinhamento estratégico do banco e aperfeiçoamos a nossa cultura de gestão de risco e responsabilidade pessoal e prestação de contas”, refere António Horta-Osório.

Recomendadas

PremiumMário Palhares: “BNI e Finibanco Angola continuam empenhados em encontrar uma solução”

O processo de venda do Finibanco Angola a Mário Palhares do Banco BNI, acordado em 2015, acabou. Mas o CEO do banco angolano garante ao JE que o BNI e o Finibanco continuam empenhados em encontrar uma solução.

Hélder Rosalino reconduzido no Banco de Portugal com efeitos retroativos a 2019

Hélder Rosalino tem menos de três anos pela frente na administração do Banco de Portugal porque o Governo reconduziu o ex-governante social democrata, mas com efeitos retroativos a setembro de 2019. O mandato dos administradores do banco central são de cinco anos.

Fitch admite que o malparado dos bancos portugueses vai aumentar em 2022

Rafael Quina antevê que o malparado decorrente de 18 meses de moratória se vai fazer sentir especialmente em 2022. O analista disse ainda que há espaço para aumentar a consolidação bancária o que “ajudaria a melhorar os modelos de negócio da banca portuguesa, no sentido de  aumentar a resiliência e a rentabilidade”. Mas ainda há barreiras a derrubar.
Comentários