Crédito à habitação volta a subir e soma 976 milhões em outubro

Os dados são do Banco de Portugal que revela hoje que os montantes das novas operações de empréstimos para habitação, consumo e outros fins totalizaram 976, 391 e 156 milhões de euros, respetivamente.

Foram concedidos 976 milhões de euros em novas operações de crédito à habitação. No acumulado dos 10 meses, de janeiro a outubro deste ano, foram concedidos mais de 9 mil milhões de euros em crédito à habitação.

Os dados são do Banco de Portugal que revela hoje que os montantes das novas operações de empréstimos para habitação, consumo e outros fins totalizaram 976, 391 e 156 milhões de euros, respetivamente.

O crédito à habitação sobe 0,62% face a setembro deste ano e 2% face a outubro do ano passado.

Isto numa altura em que as taxas de juro de novas operações de empréstimos à habitação caem. Nas novas operações de empréstimos a particulares para habitação, a taxa de juro média desceu 5 pb, para 0,87%, um novo mínimo histórico, pelo terceiro mês consecutivo.

Já nos empréstimos ao consumo, a taxa de juro média diminuiu para 6,43% e, nos empréstimos para outros fins, aumentou para 3,76%. Em setembro, esta taxas tinham sido de 6,63% e 3,20%, respetivamente.

Em outubro, a taxa de juro média dos novos empréstimos concedidos a sociedades não financeiras (empresas) aumentou 7 pontos base (pb) face a setembro, para 2,07%. A taxa de juro das operações acima de 1 milhão de euros foi de 1,70% (1,77% em setembro) e a das operações abaixo de 1 milhão de euros de 2,31% (2,15% em setembro).

Nos depósitos os bancos pagam menos em juros aos clientes empresas e mantêm a taxa de juro dos depósitos dos particulares.

No que toca às taxas de juro de novas operações de depósitos verifica-se que em outubro de 2020, a taxa de juro média dos novos depósitos até um ano de sociedades não financeiras desceu 1 pb para um novo mínimo histórico de 0,03%. Nos novos depósitos até um ano de particulares, a taxa de juro média manteve-se em 0,06%.

Ler mais
Recomendadas

“Em crise os riscos de crédito aumentam e o seguro torna-se mais importante”

Nesta crise, há setores que se veem obrigados a reduzir a sua atividade, “mas há outros em que novas oportunidades de negócio se abrem”, afirma a ‘chairman’ da COSEC, Maria Celeste Hagatong.

CGD faz hoje 145 anos e celebra com concerto online de Abrunhosa

Paulo Moita de Macedo, Presidente Executivo da Caixa, assinala a data com uma mensagem dirigida a todos os clientes onde realça a importância de cada cliente na construção destes 145 anos de história. O CEO da CGD coloca a tónica no futuro do Banco, “um caminho que continuará a ser feito lado a lado com os portugueses”.

Malparado do Novo Banco foi vendido ao melhor preço conclui auditoria da Deloitte

“Nos três processos de alienação analisados verificou-se que foi escolhida a proposta de investidores que apresentava o preço mais elevado”, pode ler-se no documento da auditoria da Deloitte.
Comentários