Crédito ao consumo sobe em fevereiro apesar da queda no crédito automóvel

Em termos de variação homóloga o montante de crédito pessoal concedido subiu 1,3% para 266 milhões de euros; o crédito automóvel caiu 3,4% para 217 milhões e os cartões de crédito e descoberto subiram 5,1% para 92 milhões.

Cristina Bernardo

Segundo dados do Banco de Portugal, em fevereiro deste ano o crédito ao consumo contratado somava 575,3 milhões de euros, mais 1,6% do que em janeiro e ao mesmo nível de fevereiro do ano anterior. Isto apesar da queda de -21,1% anual do Aluguer de Longa Duração de automóveis novos (sendo que face ao ano passado subiu 17,9% o ALD de carros usados). Um termos mensais o ALD de carros novos caiu 18,2% para 21 milhões de euros.

O crédito pessoal para Educação, Saúde, Energias Renováveis e Locação Financeira de Equipamentos, teve a maior subida anual (45,5% para 7,34 milhões de euros).

Na análise mensal, em fevereiro, face a janeiro, o crédito pessoal sem finalidade específica (lar, consolidado e outras finalidades) foi o que mais subiu (7,6% para 258,7 milhões).

Também os cartões de crédito, linhas de crédito, contas correntes bancárias e facilidades de descoberto subiram em fevereiro face ao mesmo mês do ano anterior. Em montante subiu 5,1% num ano para 92,2 milhões.

Em termos de variação homóloga o montante de crédito pessoal concedido subiu 1,3% para 266 milhões de euros; o crédito automóvel caiu 3,4% para 217 milhões e os cartões de crédito e descoberto subiram 5,1% para 92 milhões.

Em número de novos contratos de crédito aos consumidores, o crédito pessoal está em queda, ao ter registado uma descida anual de 4,2% para 37.565 novos contratos; o crédito automóvel caiu 5,6% para 15.597 novos créditos; só os cartões e descoberto subiram 0,4% para 69.311 contratos.

Ao todo em fevereiro os novos contratos somam 122.473 o que traduz uma queda de -1,8% face a janeiro e de -1,5% face a fevereiro de 2018.

 

Ler mais
Recomendadas

Investigação ao “apagão fiscal” parada há 19 meses

“Intolerável”, diz Ana Gomes numa carta à PGR, alertando que o inquérito a transferências de 10 mil milhões “não avançou absolutamente nada”.

FinTech provocaram a disrupção da cadeia de valor da banca

Parece consensual entre ‘experts’ que o futuro dos bancos passa por entrarem nas ‘apps’ do telemóvel e que as FinTech vão ser os seus parceiros da inovação tecnológica.

CGD baixa taxa mínima do spread para 1,23%. É o sexto banco a baixar custo do crédito à habitação

Em quatro meses, desde janeiro, seis bancos já reviram em baixa o spread mínimo cobrado aos clientes. O último a fazê-lo foi a CGD, depois do EuroBic, do BPI, do Crédito Agrícola, do Santander Totta e do Montepio.
Comentários