Crédito malparado das famílias e das empresas aumentou em fevereiro

A concessão de empréstimos às empresas também subiu em fevereiro, em comparação com o primeiro mês do ano, mas no caso das famílias manteve-se inalterada.

Cristina Bernardo

O peso do crédito vencido tanto das famílias como das empresas em Portugal, no total dos titulares de empréstimos, aumentou ligeiramente em fevereiro, face a janeiro, de acordo com dados publicados esta terça-feira pelo Banco de Portugal.

A percentagem de empresas devedoras com crédito vencido aumentou 0,2 pontos percentuais, para 25,1%, enquanto nas famílias o aumento foi de 0,1 pontos percentuais, para 11,9%.

O rácio de crédito vencido das famílias (o volume de malparado no total do crédito concedido) também subiu, 0,1 pontos percentuais, para 4,3%. Em sentido contrário, o rácio de crédito vencido das empresas diminuiu ligeramente (0,2 pontos percentuais), para 13,3%.

No período em análise, o ritmo da descida da concessão de empréstimos às empresas agravou-se em 0,6 pontos percentuais, para uma quebra de 2,5%.

A taxa de variação do crédito à habitação e do crédito ao consumo e outros fins das famílias mantiveram-se inalteradas face ao mês anterior, em -1,6% e 6,3%, respetivamente.

Relacionadas

Banca quer passar mil milhões para plataforma do malparado

CGD, Novo Banco e BCP já têm a lista de processos que querem ver tratados na plataforma de gestão de malparado. Créditos em incumprimento de PME somam mil milhões de euros.

Moody´s considera que novo quadro de provisionamento para malparado é positivo

A agência de rating lembra no entanto que nem a proposta do BCE nem a da CE considera o stock existente de NPLs (vulgarmente conhecido por crédito malparado). “A proposta da CE visa novos empréstimos e a do BCE novos NPLs”.
Recomendadas

PremiumMário Palhares: “BNI e Finibanco Angola continuam empenhados em encontrar uma solução”

O processo de venda do Finibanco Angola a Mário Palhares do Banco BNI, acordado em 2015, acabou. Mas o CEO do banco angolano garante ao JE que o BNI e o Finibanco continuam empenhados em encontrar uma solução.

Hélder Rosalino reconduzido no Banco de Portugal com efeitos retroativos a 2019

Hélder Rosalino tem menos de três anos pela frente na administração do Banco de Portugal porque o Governo reconduziu o ex-governante social democrata, mas com efeitos retroativos a setembro de 2019. O mandato dos administradores do banco central são de cinco anos.

Fitch admite que o malparado dos bancos portugueses vai aumentar em 2022

Rafael Quina antevê que o malparado decorrente de 18 meses de moratória se vai fazer sentir especialmente em 2022. O analista disse ainda que há espaço para aumentar a consolidação bancária o que “ajudaria a melhorar os modelos de negócio da banca portuguesa, no sentido de  aumentar a resiliência e a rentabilidade”. Mas ainda há barreiras a derrubar.
Comentários