Sabe o que influencia os bancos a emprestar dinheiro?

Quando um consumidor solicita um financiamento, qualquer instituição financeira faz uma análise de crédito ao perfil desse indivíduo. Esta avaliação irá determinar se o banco concederá, ou não, o empréstimo solicitado consoante o risco que o cliente representa.

O risco de crédito consiste no risco associado à possibilidade de o banco ter perdas financeiras devido ao incumprimento do pagamento do empréstimo por parte do cliente. É por este motivo que é tão importante para as entidades bancárias realizarem uma análise de crédito: para perceberem se é viável concedê-lo a certo e determinado cliente.

Antes de fazer um pedido de financiamento, o cliente deverá realizar uma introspeção. Analise as suas finanças e perceba se tem capacidade para reembolsar um crédito. Se tem alguns empréstimos, já pensou em juntar todos num só? Para além de aumentar o prazo de pagamento, fica com apenas uma prestação mensal e esta terá um valor muito mais reduzido, permitindo-lhe uma maior folga orçamental.

Existem, então, seis fatores que os bancos têm em consideração para realizar a análise de crédito. Fique a conhecê-los, neste artigo elaborado pelo ComparaJá.pt, para perceber se tem maior ou menor probabilidade de ver o seu pedido aprovado.

1) Carácter do cliente

O comportamento do cliente no pagamento das suas responsabilidades financeiras, tais como anteriores empréstimos, é o primeiro fator a ter em consideração para a análise de crédito por parte das instituições financeiras.

Para a análise de crédito, os bancos recorrem fundamentalmente ao Mapa de Responsabilidades de Crédito. Neste documento, que está disponível na Central de Responsabilidades de Crédito (CRC) do Banco de Portugal, constam todas as informações sobre os empréstimos contraídos, inclusive eventuais incumprimentos por parte do cliente e valores em dívida, caso existam.

No caso de o cliente estar em incumprimento, pode mesmo constar da Lista Negra do Banco de Portugal. Antes de pedir um empréstimo, avalie como está a sua situação financeira e como é o seu comportamento no mercado de crédito.

2) Taxa de esforço

Outro fator que os bancos consideram na sua análise de crédito é a capacidade de pagamento do cliente, ou seja, aquilo a que se chama a sua “taxa de esforço”.

A taxa de esforço é a percentagem do rendimento do agregado familiar que é direcionado exclusivamente para o pagamento de prestações de crédito.

Deste modo, quantos mais empréstimos tiver e maior for o montante em dívida, mais elevada será a sua taxa de esforço e, consequentemente, mais difícil será para si contrair um novo empréstimo e cumprir com o seu pagamento.

3) Património do cliente

O terceiro fator considerado na análise de crédito reside no património do consumidor. Em suma, a instituição financeira procura analisar todas as fontes de rendimento do agregado familiar do cliente, avaliando ainda os bens do mesmo.

Deste modo, o banco consegue perceber se o consumidor tem algo que possa ser utilizado como eventual garantia hipotecária (sendo esta última o fator seguinte).

4) Garantias hipotecárias

No seguimento do fator anterior, as entidades financeiras também procuram eventuais garantias bancárias para a sua análise de crédito.

A avaliação deste elemento é mais comum aquando de um pedido de crédito à habitação, uma vez que este tipo de financiamento implica um montante mais elevado do que outro tipo de empréstimo.

As garantias que o cliente poderá disponibilizar podem ser o imóvel que deseja comprar, o seu veículo ou até um fiador para o empréstimo. Estas garantias conferem uma credibilidade acrescida ao cliente, pois o banco poderá reaver o montante financiado caso o consumidor entre em incumprimento.

5) Capacidade de gestão

Para a análise de crédito é ainda considerada a capacidade de adaptação do consumidor de um ponto de vista financeiro. Ou seja, será este capaz de se adaptar facilmente a alterações económicas, tais como a subida das taxas de juro, uma redução salarial ou até uma eventual situação de desemprego involuntário?

Esta capacidade de gestão do seu dinheiro é analisada não só através dos fatores anteriormente mencionados na análise de crédito, como também através de outros, tais como o cargo que ocupa na empresa onde trabalha, a estabilidade nessa mesma empresa ou o nível de escolaridade que detém.

Deste modo, é importante que o cliente possua a flexibilidade e a agilidade financeira necessárias para ajustar os seus rendimentos a estas alterações não programadas e demonstrar que detém mecanismos de defesa contra as mesmas (tais como um fundo de emergência).

6) Importância da relação com o banco na análise de crédito

Por fim, os bancos também têm em consideração a relação que possuem com os clientes. Se o cliente tiver outro empréstimo nessa mesma entidade de crédito ou outros produtos e serviços financeiros, isso poderá ser uma mais-valia para si.

Todavia, caso o cliente não tenha um bom histórico de crédito, este não será um ponto a seu favor.

No entanto, importa saber que, embora os bancos tenham os seus modelos e procedimentos específicos para a análise de crédito, a verdade é que a concessão de financiamento é casuística. Isto significa que é vista caso a caso, consoante o cliente em questão, e que os critérios de aprovação podem variar de instituição para instituição.

Ler mais
Relacionadas

Crédito habitação recusado? Pode ser devido ao seu DSTI

O Debt Service-to-Income (DSTI) é o indicador do grau de esforço financeiro do cliente associado ao pagamento de uma dívida. Saiba qual o impacto que pode ter na decisão das instituições financeiras na hora de conceder um empréstimo.

Se ficar desempregado, o seguro paga-lhe o crédito?

Alguma vez se questionou o que é que acontece se tiver um empréstimo por pagar e acabar por ficar desempregado? Se tiver um seguro de desemprego tal poderá não ser uma dor de cabeça. Descubra mais sobre esta proteção neste artigo.

Respostas Rápidas: Ainda é possível obter crédito habitação com 100% de financiamento?

Descubra se os bancos ainda concedem financiamento sem exigirem qualquer entrada inicial ao consumidor.

Quanto pode poupar ao transferir o crédito pessoal para outro banco?

Caso tenha solicitado um empréstimo ao consumo em anos recentes e esteja a suportar uma TAEG elevada, sabia que poderá obter poupanças avultadas se transferir o crédito pessoal para outro banco?

Como é que a subida da Euribor afeta a prestação da sua casa?

A EURIBOR continua em terreno negativo mas, nas últimas semanas, tem vindo a sofrer ligeiros aumentos em consequência do impacto da pandemia na economia. Descubra, neste artigo, quais as consequência da subida deste indexante no crédito à habitação.

Comprar uma casa ainda em construção é um bom negócio?

É normal os bancos concederem adiantamentos (período de tempo em que só se liquidam juros) aos consumidores que desejam comprar casas em construção, tecnicamente designadas por casas em planta. Mas será algo vantajoso? Descubra, neste artigo, se o desconto no preço compensa as dores de cabeça que poderá vir a ter.

Há 5 operações possíveis com cartão de crédito que facilitam a sua vida. Saiba quais

Para além do pagamentos de bens e serviços, o cartão de crédito pode ser útil em muitas outras situações. Descubra tudo sobre o tema neste artigo.
Recomendadas

Sabe se pode ter direito à pensão de invalidez?

Sabia que se apresentar incapacidade permanente para o trabalho pode usufruir de um apoio pago pela Segurança Social? Trata-se da pensão de invalidez, que pode ser relativa ou absoluta, consoante o grau de incapacidade que tiver. Descubra, neste artigo, se tem direito e como obter.

Especial Heranças: Herdeiros são obrigados a pagar dívidas?

Sabe que, para ficar com os seus bens, os seus familiares terão de pagar mais de 400 euros só em papelada obrigatória? Ou quantos passos são necessários até a herança ser do herdeiro? E se a herança contiver uma dívida? Neste artigo vai ficar a conhecer quais os gastos que as famílias têm e algumas dicas para evitá-los.

Especial Heranças: Qual a diferença entre renúncia e repúdio?

Existem duas formas possíveis através das quais pode não aceitar uma herança: através de renúncia ou por repúdio. Mas sabe quais as diferenças entre estas duas formas de rejeição? Neste artigo explicamos-lhe em que consiste a renúncia de herança e o repúdio e o que difere entre ambos.
Comentários