Credores da Groundforce aprovam pagamento das dívidas à Segurança Social em 150 prestações

As 150 parcelas são o máximo permitido por lei. A proposta foi aprovada por unanimidade esta quarta-feira, em assembleia de credores, que se realizou no tribunal de Monsanto.

Os credores da Groundforce, reunidos esta quarta-feira em assembleia de credores no tribunal de Monsanto, aprovaram por unanimidade uma proposta dos administradores de insolvência para que fosse as dívidas da empresa à Segurança Social fossem pagas através de um plano prestacional de 150 parcelas, o máximo permitido por lei.

Pedro Pidwell, administrador de insolvência da Groundforce, adiantou aos credores reunidos em assembleia que as dívidas da empresa à Segurança Social iriam impedir o próprio plano de recuperação da empresa, alem de obrigar à devolução de 1,5 milhões já recebidos do IEFP de apoios Covid e de uma parcela de 1,4 milhões de euros relativos à TSU de junho e julho. Também impediriam que a empresa viesse a receber uma outra parcela de 1,5 milhões do IEFP.

Pidwell disse que os administradores de insolvência acertaram com a Segurança social um plano prestacional “a título excepcional”, mas que a entidade tutelada por Ana Mendes Godinho pediu por uma questão “de conforto” que o plano prestacional fosse apresentado e votado na assembleia de credores.

A proposta foi aprovada por unanimidade. Na lista de credores, a que o “Jornal de Negócios” teve acesso, o Instituto da Segurança Social surge como credora efetiva de 5,9 milhões de euros e de 4,5 milhões em apoios Covid.

Relacionadas

Plano de recuperação da Groundforce vai avançar

A elaboração do plano fica a cargo dos dois administradores de insolvência, Pedro Pidwell e Bruno Costa Pereira, que vão receber uma remuneração de 25 mil euros cada um para executar a tarefa.

Credores da Groundforce aprovam pagamento das dívidas à Segurança Social em 150 prestações

As 150 parcelas são o máximo permitido por lei. A proposta foi aprovada por unanimidade esta quarta-feira, em assembleia de credores, que se realizou no tribunal de Monsanto.

Groundforce acumula dívidas de mais 154 milhões de euros a 2.791 credores

Já o total de reclamado pelos credores ultrapassa os 137 milhões de euros, sendo que em vários dos credores não há reclamação da dívida, mas há um valor atribuído, que explica as diferenças destes números.
Recomendadas

EuroBic com prejuízos de 7,4 milhões de euros no primeiro semestre

O EuroBic registou prejuízos de 7,4 milhões de euros no primeiro semestre, graças a imparidades de ativos financeiros não mensurados pelo justo valor de 13,5 milhões de euros.

Empresas vão receber mais de 12 mil milhões de euros do PRR e do Portugal 2030

As verbas acumuladas dos dois programas perfazem um acréscimo de 75% face ao que as empresas receberam no Portugal 2020, realçou ainda Nelson de Souza, esclarecendo que, nos próximos quadros de financiamento, vai “haver muito mais incentivos às empresas para a área das alterações climáticas”.

Fidelidade faz parceria de 12 milhões com o Técnico para a construção do centro de inovação

O projeto orçamentado em cerca de 12 milhões de euros e que ocupará a antiga Gare do Arco Cego, em Lisboa vai chamar-se “Técnico Innovation Center, Powered by Fidelidade”.
Comentários