Crescimento na atividade de serviços não anima bolsas europeias. PSI-20 fecha no ‘vermelho’

Assim, o PSI-20 recuou 0,21% na sessão desta sexta-feira, para 5.000,29 pontos, com a EDP e o BCP a representarem as maiores desvalorizações.

Os principais índices bolsistas europeus encerraram a sessão desta sexta-feira em baixa, apesar do ambiente positivo que se vive em Wall Street ter atenuado as quedas, após a revelação de que a atividade global nos EUA (indústria e serviços) teve o melhor registo desde 2009.

Os índices europeus reagem às notícias desta manhã que indicavam que a atividade nos serviços da zona euro voltou à expansão oito meses depois de ter entrado em contração, e de que a indústria teve o melhor registo desde que há leitura, mas tal acabou por não conferir ânimo entre os investidores, indica analista de mercados da BCP investment banking, Ramiro Loureiro, esta sexta-feira.

Em março, a economia europeia cresceu pela primeira vez em seis meses, superando as expectativas dos analistas. Em abril a tendência continuou com uma aceleração da atividade económica, de acordo com o Project Management Institute (PMI) compósito da Zona Euro divulgado esta sexta-feira pela IHS Markit. Este mês o setor dos serviços também voltou a crescer.

Assim, o PSI-20 recuou 0,21% para 5.000,29 pontos com a EDP e o BCP a representarem as maiores desvalorizações.

O banco comercial português fechou a sessão a perder 0,71% para 0,1126 cêntimos, enquanto que a energética recuou 0,85% para 4,90 euros depois de no fecho da sessão de ontem ter disparado mais de 4%. Já a EDP Renováveis, que ontem encerrou a valorizar mais de 7%, cai hoje 0,29% para 20,72 euros. Entre o sector das energéticas, a Galp também perde, deslizando 0,64% para 9,35 euros.

Destaque para a Jerónimo Martins que cai 1,77% para 14,19 euros e para a Sonae que recua 0,32% para 0,7805 cêntimos.

O analista revela na sua análise que os mercados reagem também aos rumores de que a próxima reunião do BCE, a 10 de junho, “possa ser mais agitada em termos de consenso quanto ao plano de estímulos económicos, e que alguns membros podem defender o início da redução do programa de compra de ativos pandémicos”.

Olhando para as praças europeias, o Euro Stoxx 50 cai 0,4% para 4.013,34 pontos e o Stoxx 600 perde 0,14% para 439,04 pontos, no dia em que a Comissão Europeia anunciou mais um contrato para a aquisição de vacinas, cerca de 1,8 mil milhões de fármacos produzidos pela Pfizer/BioNTech e que deverão ser entregues entre 2022 e 2023.

Na vizinha Espanha, o sentimento negativo prolonga-se com o IBEX 35 a tombar 0,44% para 8.618,60 pontos, enquanto que em França, com o Cac40, o derrape é de 014% para 6.257,94 pontos. Já em Frankfurt, o DAX cai 0,27% para 15.279,62 pontos e em Londres, o FTSE 100 desvaloriza 0,01% para 6.937,39 pontos.

Ler mais

Recomendadas

Dow Jones e S&P 500 terminam semana de ganhos com novos recordes

Uma das cotadas que se destacaram em Nova Iorque foi a tecnológica Roku, que disparou mais de 11% depois de apresentar bons resultados trimestrais.

PSI-20 fecha semana no ‘verde’ com CTT a dispararem quase 10%

Praça lisboeta terminou a sessão a valorizar 1,16%, para 5,150.59 pontos nesta sexta-feira, seguindo a tendência das congéneres europeias.

Wall Street abre em terreno positivo e ignora dados do emprego nos EUA

A sessão desta sexta-feira também abriu com as empresas de tecnologia e de vacinas a verde. É disso exemplo Twitter, Apple, Johnson & Johnson ou AstraZeneca.
Comentários