Crise deverá durar até 2024. Qatar Airways reduz a sua frota em 25%

A companhia aérea do Catar possui uma rede de 202 aviões e antes da pandemia do coronavírus fazia ligações para 156 países. O regressos aos céus está programado para o mês de junho com viagens para 80 destinos.

A Qatar Airways vai reduzir a sua frota em 25% face ao ano anterior. O principal acionista do International Group Airlines (IAG) acredita que a pandemia do coronavírus provocou uma crise no setor aéreo que irá durar até 2024, segundo escreve o jornal “El Economista” esta terça-feira, 11 de maio.

“A procura global por viagens levará anos para recuperar da pandemia do coronavírus e muitas viagens de negócios nunca mais voltarão a realizar-se”, referiu Akbar al-Baker, chefe-executivo da Qatar Airways em declarações à agência “Reuters”.

A companhia aérea do Catar possui uma rede de 202 aviões e antes da pandemia do coronavírus fazia ligações para 156 países. O regressos aos céus está programado para o mês de junho com viagens para 80 destinos. Face a esta quebra, a companhia aérea do Catar vai manter algumas aeronaves em terra e os ajustes poderão passar também por despedimentos de trabalhadores.

A Qatar Airways espera vender entre 50 e 60% das suas viagens nas próximas semanas. A companhia aérea estatal é uma das poucas que manteve alguns vôos regulares de passageiros durante a pandemia. “Ainda há muitas pessoas presas fora das suas casas pelo mundo inteiro e pessoas que querem visitar os seus entes queridos”, afirmou Akbar al-Baker.

Recomendadas

Fórum para a Competitividade antecipa recessão técnica no primeiro trimestre devido ao confinamento

A instituição presidida por Pedro Ferraz da Costa admite que existe o “risco sério” de o verão não haver uma “uma clara recuperação” do sector do turismo, o que terá repercussões negativas nas restantes atividades económicas e na taxa de desemprego.

Governo já pagou 268 milhões de euros às empresas através do programa Apoiar.pt

“Temos, no acumulado da primeira e da segunda tranche, cerca de 268 milhões de euros pagos”, afirmou João Neves.

Supremo confirma prisão do antigo presidente do Banco Privado

A pena de prisão efetiva de João Rendeiro só se vai concretizar após trânsito em julgado. O antigo presidente do Banco Privado Português (BPP) foi condenado a cinco anos e oito meses de prisão por vários crimes de falsidade informática e falsificação de documentos.
Comentários