Crise dos combustíveis: Costa garante que Presidente da República esteve permanentemente informado

Primeiro-ministro assegura que o Governo cumpriu “sempre, sem nenhuma queixa” por parte do Presidente da República, “o dever de o manter permanentemente informado dos assuntos relevantes para a governação interna e externa do país”.

Adriano Machado/Reuters

O primeiro-ministro afirmou hoje que, ao longo da crise dos combustíveis e das negociações entre motoristas de substâncias perigosas e patrões do setor, o Presidente da República esteve sempre informado pelo Governo sobre a evolução do processo.

“Neste caso, como em todos os outros, o Governo tem cumprido sempre, sem nenhuma queixa por parte do senhor Presidente da República, o dever de o manter permanentemente informado dos assuntos relevantes para a governação interna e externa do país”, declarou à agência Lusa António Costa, depois de interrogado sobre em que medida o chefe de Estado esteve a par da evolução dos acontecimentos e da linha estratégica seguida pelo executivo para aproximar o sindicato em greve e a Associação Nacional de Transportadores Rodoviários de Mercadorias (ANTRAM).

“Durante a noite passada [de quarta-feira], tive a oportunidade de falar com o Presidente da República várias vezes, em torno da primeira negociação”, referiu o líder do executivo, numa alusão à fase em que o Governo tinha como objetivo cimeiro alargar a todo o território nacional a cobertura dos serviços mínimos no abastecimento de combustível.

Já hoje, segundo o primeiro-ministro, “logo entre as 06:00 e as 08:00, o Governo teve a oportunidade de informar o chefe da Casa Civil [da Presidência da República] – e antecipadamente – da conclusão do acordo que tinha sido obtido para ultrapassar a situação de greve”.

“Como sempre, mantemos o senhor Presidente da República a par e passo informado de todas as matérias que dizem respeito à governação do país, como é nosso dever e como tem, aliás, contribuído muito positivamente para a excelente relação de cooperação institucional que tem existido entre Presidente da República e Governo”, acrescentou António Costa.

A greve dos motoristas de matérias perigosas terminou hoje de manhã, depois de o sindicato e a ANTRAM terem chegado a acordo ao início da manhã.

No acordo assinado, a ANTRAM e o Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) comprometem-se a concluir até dia 31 de dezembro um processo de negociação coletiva.

A negociação coletiva deverá assentar nos seguintes princípios de valorização: individualização da atividade no âmbito da tabela salarial, subsídio de risco, formação especial, seguros de vida específicos e exames médicos específicos.

A greve nacional dos motoristas de matérias perigosas teve início às 00:00 de segunda-feira, convocada pelo SNMMP.

Ler mais
Relacionadas

Combustíveis: Costa salienta “serenidade” do Governo e condena aproveitamentos políticos

Na perspetiva do líder do executivo, ao longo da greve decretada pelos motoristas, que gerou uma crise no abastecimento de combustíveis em todo o país, o Governo procurou sempre “criar as condições” para que as partes se sentassem à mesa “e o conflito fosse ultrapassado em paz, no respeito por uns e por outros”.
Recomendadas

Boris Johnson diz que ‘backstop’ “simplesmente tem de sair” do acordo para o Brexit

O primeiro-ministro britânico disse esta quarta-feira o Reino Unido “não pode aceitar” o atual acordo de saída da União Europeia e que o mecanismo de salvaguarda para a fronteira irlandesa “tem de sair” do texto.
pedro-pardal-henriques

Motoristas avançam com greve ao trabalho suplementar no início de setembro

O sindicato dos motoristas de matérias perigosas vai entregar hoje o pré-aviso de greve ao trabalho suplementar, após não chegarem a acordo com os patrões. “O único regime em que as pessoas podem fazer trabalho suplementar sem receberem é a Coreia do Norte”, disse Pardal Henriques.

Londres deixa de participar na maior parte das reuniões da União Europeia a 1 de setembro

“Muitas das discussões nestas reuniões com a UE têm a ver com a União depois da saída do Reino Unido. Libertar os representantes dessas reuniões permite que eles concentrem melhor os seus talentos nas prioridades nacionais imediatas”, afirmou Steve Barclay.
Comentários