Cristas considera “inaceitável” que haja 22 mil candidaturas a fundos para agricultura à espera de aprovação

Questionada sobre o aumento de alunos que este ano vão ingressar no ensino superior, a presidente do CDS considerou “positivo”, lembrando que o país “tem ainda um trabalho a fazer” para ter recursos humanos mais qualificados

A presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, considerou hoje “inaceitável que o Governo tenha 22 mil candidaturas aos fundos para a agricultura à espera de serem aprovadas”.

Numa visita à FRIMOR, Feira Nacional da Cebola, em Rio Maior, no distrito de Santarém, acompanhada pela cabeça de lista às legislativas de 6 de outubro por este círculo eleitoral, Patrícia Fonseca, a líder centrista reafirmou “o compromisso total do CDS com o mundo rural e com o mundo agrícola”, onde há ainda “um trabalho para fazer”.

Para Assunção Cristas, é “inaceitável que Governo tenha 22 mil candidaturas aos fundos para a agricultura à espera de serem aprovadas” e que as pessoas não possam “contar com essas verbas para os seus investimentos”.

Considerando que o investimento na agricultura é “muito produtivo e reprodutivo” e que “puxa” pela economia e pelas exportações e diminui as importações, Cristas afirmou que o seu partido continua a entender que se deve “caminhar para eliminar o défice agroalimentar”.

“Não conseguimos produzir todas as culturas, mas muitas podemos produzir mais e melhor e isso depende do bom uso dos fundos comunitários e de investimentos críticos que têm que ser pensados para o país”, disse.

Em particular, destacou os investimentos na água, afirmando que “há um trabalho muito sério para ser planeado e feito em Portugal” nesse âmbito.

“Sabemos que Portugal é dos países mais expostos no mundo às alterações climáticas, um clima que será cada vez mais quente e mais seco, e nós temos que nos preparar para ele, temos que nos adaptar às alterações do clima e isso faz-se com investimentos para armazenar água, para usar eficientemente a água no mundo rural, através de uma irrigação eficiente”, declarou.

Questionada sobre a inclusão das questões do ambiente na agenda política desta campanha, Cristas afirmou que o CDS tem um “trabalho feito ao longo legislatura”, destacando a dimensão da água, que é preciso armazenar e gerir melhor, o que implica a realização de investimentos.

Como exemplo apontou a necessidade de serem estudados, “em concreto, os sítios onde precisamos ter barragens de usos múltiplos” e referiu o caso da bacia do Tejo, onde é, nomeadamente, preciso garantir que a cunha salina “não sobe e não prejudica a agricultura”, sobretudo na zona mais a sul do distrito de Santarém.

Para Cristas, é preciso estudar e avaliar “planos pensados no passado que nunca chegaram a ser concretizados”, como a barragem do Alvito.

Cristas conversou com vários ceboleiros presentes na edição deste ano de um certame cujas origens remontam há 250 anos e que é tradicionalmente lugar privilegiado para os produtores do concelho vizinho das Caldas da Rainha (Leiria) venderem a sua produção de cebola e de alho, bem como de outros hortícolas.

Questionada sobre o aumento de alunos que este ano vão ingressar no ensino superior, a presidente do CDS considerou “positivo”, lembrando que o país “tem ainda um trabalho a fazer” para ter recursos humanos mais qualificados.

Recomendadas

CNE alerta que é proibido propaganda na véspera e dia de eleições

A comissão avisa que “entende-se por ‘propaganda eleitoral’ toda a atividade que vise direta ou indiretamente promover candidaturas, seja dos candidatos, dos partidos políticos, dos titulares dos seus órgãos ou seus agentes, das coligações, dos grupos de cidadãos proponentes ou de quaisquer outras pessoas, nomeadamente a publicação de textos ou imagens que exprimam ou reproduzam o conteúdo dessa atividade”.

“Lisboa estava em sentada em tanto dinheiro de impostos que nem sabia o que lhe fazer”, realça candidato da IL a Lisboa

Na última edição do programa “Primeira Pessoa, da plataforma multimédia JE TV, Bruno Horta Soares considera que é importante estancar o aumento de trabalhadores na Câmara Municipal de Lisboa e diminuir os “10 a 12 milhões em avenças e os 13 milhões em horas extraordinárias”.

Portugal concede terceira moratória a Cabo Verde para o pagamento da dívida

O anúncio foi feito esta pelo Governo que aprovou uma nova suspensão do pagamento do serviço da dívida por parte da República de Cabo Verde, relativa aos empréstimos diretos concedidos.
Comentários