CTT diz que externalização da distribuição está prevista na lei

“Nós cumprimos a lei”, afirmou à margem da apresentação dos resultados anuais referentes a 2018 dos CTT.

Cristina Bernardo

O presidente dos CTT, Francisco Lacerda, em resposta às declarações desta manhã do presidente da Anacom de que os CTT estão a subcontratar a distribuição a terceiros, afirmou que a empresa postal cumpre a lei. “O Governo e o regulador entenderam que se deveria externelizar a distribuição. Se a Anacom preferiria ser ela a escolher a entidade, é um tema de lei”, disse.

“Nós cumprimos a lei”, afirmou à margem da apresentação dos resultados anuais referentes a 2018 dos CTT.

Outra afirmação do presidente da Anacom na audição parlamentar desta quarta-feira, foi de que os CTT estariam a permitir que a distribuição de correio fosse feita por pessoal sem formação ou vigilância. Lacerda admitiu que há serviços de distribuição que não são feitos por carteiros, mas, “obviamente que essas pessoas estão formadas, treinadas e controladas para fazer esse trabalho”.

Encerramento de estações CTT
O programa de ajustamento da rede CTT, empreendido em 2018, foi outro tema abordado em conferência de imprensa. “Em 2019 não vamos aparecer com números novos nessa frente”, revelou, numa alusão ao encerramento de dezenas de estações CTT em todo o território português. Não obstante, o CEO dos CTT salvaguardou:”Há um conjunto de situações que não ficaram resolvidas [leia-se estações encerradas] até ao fim de 2018″, pelo que outros encerramentos possam decorrer mas no âmbito do referido programa.

Questionado, ainda, sobre o programa de rescisões lançado em 2017, Francisco Lacerda revelou que até ao momento já saíram da empresa 419 pessoas, por mútuo acordo. “Em 2018, saíram 200 pessoas”, contou.

Os CTT têm um universo laboral de doze mil trabalhadores.

 

 

 

Ler mais
Relacionadas

“Os CTT não prestam informação enganosa, nem mentem”, diz Francisco Lacerda

Os CTT apresentaram hoje resultados anuais ao mercado, mas o conflito entre a empresa e a Anacom não foi esquecido na conferência de imprensa.

CTT: dividendo de 2018 cai para 0,10 euros por ação

Quebra é de 70% face a 2017. No total, os CTT vão pagar 15 milhões de euros aos acionistas.

Lucro dos CTT caiu 28% em 2018 penalizado por custos de rescisões

As receitas da empresa liderada por Francisco Lacerda foram penalizadas pela quebra dos serviços financeiros e as indemnizações pagas no âmbito do programa de transformação operacional. Ao nível do EBITDA, os números foram estáveis face aos de 2017,

“Tem de haver uma clara segregação entre o serviço postal e o Banco CTT”, defende presidente da Anacom

João Cadete de Matos foi ao Parlamento falar sobre a prestação e qualidade do serviço disponibilizado pela empresa CTT – Correios de Portugal, à luz do contrato de concessão do serviço público universal dos correios e sobre os projetos de lei que alteram a Lei das Comunicações Eletrónicas.
Recomendadas

“Reabrir uma estação dos correios é mais difícil do que parece”, diz CEO dos CTT

Os CTT reabrem hoje uma loja no Redondo, no distrito de Évora, num espaço que já foi uma estação dos correios. João Bento diz que não é sempre possível voltar ao mesmo espaço e quando é tem de se negociar, portanto a empresa vai anunciando as aberturas apenas passo a passo.

FNAC passa a vender produtos em segunda mão

Com o lançamento do novo serviço FNAC Restart, a insígnia pretende dar uma segunda vida a equipamentos usados, promovendo assim a economia circular e uma escolha ecológica consciente.

Glovo chega a Évora na próxima semana e passa a estar presente em 32 cidades em Portugal

O unicórnio das entregas continuará a expandir-se no país, com duas a três novas cidades por mês. Ricardo Batista, ‘country manager’, disse ao Jornal Económico que a empresa irá desenvolver a aplicação em termos tecnológicos e alargar os serviços e marcas disponíveis, nomeadamente supermercados e farmácias.
Comentários