CTT e Galp lideram perdas na bolsa de Lisboa. Europa fecha em queda com alertas de Lagarde

“A castigar o sentimento estiveram as declarações da presidente do BCE de que o aumento inesperado das infeções é um “risco claro” para as perspetivas económicas na região, à medida que o surto se continua a alastrar na Europa e os países aumentam restrições”, refere o analista de mercados do Millennium bcp.

O PSI-20 fechou a sessão desta quarta-feira nos 4.139,48 pontos, a cair -0,76%. A liderar as perdas estiveram as ações dos CTT (-4,17% para 2,30 euros) e da Galp (-2,92% para 7,86 euros). A Ibersol deslizou -2,28% para 3,86 euros, com a segunda vaga do Covid-19 a afetar o setor da restauração.

Destaque ainda para a Novabase que recuou 1,73% para 3,410 euros e para a Navigator que perdeu 1,15% para 1,99 euros.

Em alta fecharam as ações da Mota-Engil, que subiram 0,88% para 1,142 euros, da Sonae, que fechou em alta de 0,58% para 0,5180 euros e do BCP, que recuperou das perdas passadas e subiu 0,39% para 0,0773 euros.

A presidente do BCE, Christine Lagarde, trouxe preocupações com pandemia e isso castigou o sentimento nas bolsas.

“A castigar o sentimento estiveram as declarações da Presidente do Banco Central Europeu de que o aumento inesperado das infeções é um “risco claro” para as perspetivas económicas na região, à medida que o surto se continua a alastrar na Europa e os países aumentam restrições”, refere o analista de mercados do Millennium bcp Ramiro Loureiro, na sua análise.

As perdas a serem praticamente generalizadas a todos os setores no universo Stoxx600, à exceção dos recursos naturais. O EuroStoxx caiu 1,46% para 3.180,7 pontos.  No meio empresarial, a Ericsson disparou quase 10% após apresentar as suas contas.

O FTSE 100 perdeu 1,91% para 5.776,5 pontos; o CAC recuou 1,56% para 4.852,16 pontos; o DAX caiu 1,41% para 12.557,64 pontos; o FTSE MIB tombou 1,88% para 19.116,4 pontos e o IBEX fechou em queda de 1,68% para 6.811 pontos.

Hoje, o Fundo Monetário Internacional alertou que poderá haver falta de liquidez nas empresas europeias a partir do final deste ano, segundo as perspetivas económicas regionais.

O euro sobe 0,41% para 1,1871 dólares.

No mercado de dívida soberana a dívida alemã a 10 anos agrava 1,78 pontos base para -0,59%. Ao passo que a portuguesa sobe ainda mais (+2,28 pontos base) para 0,18%. Espanha vê os juros subirem 2,17 pontos base para 0,20% e Itália tem os juros a 10 anos a dispararem 5,4 pontos base para 0,78%.

No petróleo, o Brent em Londres tomba 2,99% para 41,87 dólares. O crude WTI nos EUA está a cair 3,38% para 40,29 dólares.

Segundo a XTB, os inventários de petróleo caíram menos que o esperado. No “WTI Crude Oil o preço quebrou abaixo de 50 SMA (linha verde) após a divulgação do relatório EIA de hoje”.

A XTB revela numa análise de hoje que “os inventários de petróleo nos EUA caíram 1,001 milhão de barris na semana que terminou a 16 de outubro, após uma queda de 3,818 milhões na semana anterior e em comparação com as estimativas dos analistas de uma queda de 1,021 milhão, de acordo com o EIA Petroleum Status Report”.

Ainda segundo a mesma análise, “os inventários de petróleo bruto Cushing caíram para 0,975 milhões de barris, após um aumento de 2,906 milhões de barris na semana passada. Enquanto que os inventários de gasolina aumentaram cerca de 1.895 milhões de barris, após uma queda de 1.626 milhões no período anterior e acima das expectativas dos analistas de declínio de 1.829 milhões de barris”.

Ler mais

Recomendadas

Fitch mantém notação da dívida portuguesa em ‘BBB’, mas deixa recomendações para a segunda metade do ano

A Fitch havia já em abril deixado alguns avisos à economia nacional, apesar de ter sinalizado que deveria manter a avaliação à dívida soberana nesta avaliação programada perante o potencial para crescimento nos dois últimos trimestres de 2021.

Wall Street fecha semana em alta a corrigir perdas dos últimos dias

Depois de uma semana de fortes perdas, especialmente no Nasdaq e Dow Jones, os três índices norte-americanos encerraram a última sessão da semana no verde, apesar dos dados fracos divulgados durante a manhã relativos às vendas a retalho e à produção industrial de abril.

Portugal regressa aos mercados quarta-feira para colocar 1.500 milhões de euros a seis meses e 1.750 milhões a 12 meses

Este é o segundo de um conjunto de três leilões a realizar entre março e junho com vista a angariar cerca de 4 mil milhões. Na anterior licitação, as taxas médias foram de -0,599% a três meses e -0,558% a 11 meses.
Comentários