CTT lideram queixas dirigidas a empresa de correios. Reclamações aumentam 212%

Os dados são do Portal da Queixa que indica que os atrasos na entrega, extravios e retenções de encomendas estão entre as razões que motivaram o maior número de queixas.

As reclamações dirigidas a empresas de correio expresso aumentaram 212% entre 1 de outubro e 14 de dezembro de 2017, face ao igual período homólogo. Os dados são do Portal da Queixa que indica que os atrasos na entrega, extravios e retenções de encomendas estão entre as razões que motivaram o maior número de queixas.

Ao todo foram registadas 2.615 queixas contra empresas que efetuam o transporte das encomendas em apenas 2 meses e meio. O Portal da Queixa indica que “só nos primeiros 14 dias de dezembro, foram recebidas mais de 500 reclamações”. “Um dos problemas proeminentes foi o estado das encomendas dos consumidores, nomeadamente a possibilidade de não ser entregue a tempo para o Natal, do extravio ou até mesma pela retenção na Alfândega de Lisboa”, explica.

A liderar o ranking de empresas com maior número de queixas estão os CTT, que durante o período em estudo registaram 964 reclamações. Seguem-se a holandesa GLS (com 257 queixas), a francesa Chronopost (173), as espanholas Seur (152) e MRW (88) e a alemã DHL (37).

Pedro Lourenço, CEO do Portal da Queixa, indica que as empresas de correio expresso são “intermediários fundamentais para que o comércio online cresça com a fluidez e confiança necessária por parte dos consumidores portugueses”, mas “infelizmente, esse não tem sido o comportamento de algumas marcas que frequentemente recebem reclamações que colocam em causa a confiança dos consumidores no setor”.

Os dados do Portal da Queixa mostram ainda que as marcas NACEX, Go Express, FedEx, Rangel e Via Directa são as que apresentaram os mais altos níveis de satisfação por parte dos consumidores.

Recomendadas

PremiumJerónimo Martins vai investir até 750 milhões para ter mais 290 lojas em 2020

Ara, na Colômbia, vai ter mais 130 lojas, e Biedronka, na Polónia, mais 100. Em Portugal, o Pingo Doce vai apostar num novo conceito de loja.

“Continuo muito cético em relação à economia portuguesa”, diz presidente da Jerónimo Martins

Num dos melhores anos de sempre da atividade do Grupo Jerónimo Martins – 2019 – o seu presidente, Pedro Soares dos Santos, considera que há constrangimentos em Portugal que impedem que o desenvolvimento dos projetos empresariais e industriais tenha um sucesso semelhante ao que se comprova em outros mercados, como a Polónia ou a Colômbia.

Pingo Doce vai abrir o primeiro restaurante “sozinho”

Chegou a vez do Pingo Doce abrir um restaurante “stand alone”, revelou o presidente do Grupo Jerónimo Martins, Pedro Soares dos Santos, durante a apresentação de resultados de 2019. “A marca Pingo Doce passará a ser uma mistura de restaurantes e supermercados”, diz.
Comentários