Custos de construção de casa nova sobem 1,9% em agosto

Trata-se de uma variação de menos 0,3 pontos percentuais do que a registado no mês anterior.

Os custos de construção de habitação nova em Portugal deverão ter aumentado 1,9% em agosto, segundo a estimativa divulgada esta segunda-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). Trata-se de uma variação de menos 0,3 pontos percentuais (p.p.) do que a registado no mês anterior.

De acordo com o organismo de estatística nacional, o preço dos materiais e o custo da mão de obra tiveram aumentos de 0,5% e de 4% comparativamente a julho. “O custo da mão de obra contribuiu com 1,6 p.p. para a formação da taxa de variação homóloga do ICCHN. Já a componente dos materiais contribui com 0,3 p.p. para a variação total do índice”, refere ainda o INE, no relatório divulgado esta manhã.

O Índice de Custos de Construção de Habitação Nova (ICCHN) é uma estatística derivada que visa medir o custo de construção de edifícios residenciais em Portugal.

INE: Custo da construção de habitação nova aumentou 1,5% em julho

Portugal com quarto maior aumento dos preços das casas na UE no segundo trimestre 

Ler mais

Recomendadas

Covid-19. 96% dos novos casos nas últimas 24 horas registados em Lisboa e Vale do Tejo

A nível nacional, o número de novos casos cresceu 0,61% para 32.700 casos, com o número de vítimas mortais a subir 0,99% para 1.424 óbitos.

Precários Inflexíveis lamentam atraso e exigência “irracional e insultuosa” no apoio a trabalhadores independentes

A associação critica ainda o facto de logo ao acederem ao formulário os trabalhadores independentes se depararem com a necessidade de subscrever uma nova frase na declaração sob compromisso de honra, que têm de confirmar logo no início do pedido, a de que retomarão “a atividade profissional no prazo de 8 dias, após a data de reabertura declarada pelo Governo, caso a mesma tenha estado suspensa ou encerrada devida ao surto de covid-19”.

Forum para a Competitividade projeta contração da economia entre 9% a 15% este ano

O Forum para a Competitividade considera ser “altamente provável que haja, em geral, uma forte contracção da procura de férias fora de casa, quer de nacionais, quer de estrangeiros”, que deverá ocorrer paralelamente a uma diminuição das viagens de lazer dos portugueses ao estrangeiro.
Comentários