Da charcutaria à gestão. Espanha está à procura de trabalhadores estrangeiros

As autorizações de residência e trabalho para trabalhadores estrangeiros e profissionais altamente qualificados duplicaram nos últimos quatro anos, de acordo com dados do Ministério do Trabalho espanhol. Se em 2014 foram concedidas 700 autorizações, em 2018 já eram perto de 1.500.

A Espanha está à procura de trabalhadores estrangeiros em diversas áreas. Empresas de charcutaria, trabalhadores temporários para colheitas ou cuidadores de idosos são os empregos em que os trabalhadores estrangeiros estão a encontrar oportunidades, embora também o façam em cargos de gestão ou relacionados à tecnologia e investigação.

As autorizações de residência e trabalho para trabalhadores estrangeiros e profissionais altamente qualificados (como analistas de gestão e sistemas ou técnicos de telecomunicações, por exemplo) duplicaram nos últimos quatro anos, de acordo com dados do Ministério do Trabalho espanhol divulgados esta quinta-feira pela agência “Efe”. Se em 2014 foram concedidas 700 autorizações, em 2018, já eram perto de 1.500.

O aumento dessas autorizações, dentro da lei de apoio ao empreendedor de 2013 e a sua internacionalização, foi ainda maior no caso de investigadores estrangeiros, que multiplicaram por quatro, de 80 (em 2015) para 381 no final do ano passado.

Por setores, a maior percentagem de trabalhadores estrangeiros ocorre na agricultura (16%), seguida pela construção (13%) e serviços, empregados de limpeza de hotéis (10%) e empregados domésticos (9%).

“A radiografia do emprego de estrangeiros mostra-nos que eles estão nos setores mais precários, tanto na agricultura quanto no setor de serviços, que têm piores condições de trabalho, contratos de curto prazo e que escondem longas horas”, refere à mesma fonte Lola Santillana, secretária do Emprego da confederação sindical espanhola CCOO.

Recomendadas

Guia do direito a férias: tudo o que precisa de saber

Fique a saber como pode gozar os seus dias de férias, a partir de quando, como funciona a marcação e ainda se pode acumular dias de férias do ano anterior.

Fenprof diz que apenas 30% das crianças regressaram ao pré-escolar

O levantamento feito pela Federação Nacional dos Professores tem por base informações relativas a 579 jardins de infância, contando-se neste número 91 agrupamentos completos, que totalizam 358 do total de jardins de infância considerados neste levantamento. Há agrupamentos “a deslocar crianças de uns jardins de infância para outros”.

País tem este ano 68 praias Zero Poluição e nenhuma fica no interior

As praias Zero Poluição, da associação Zero, representam 11% do total das 621 zonas balneares em funcionamento.
Comentários