Da decadência ao bairro mais ‘cool’. Arroios em destaque na imprensa espanhola

Depois de ter sido eleito pela revista internacional Time Out como o bairro mais cool do mundo, o El País veio registar as melhorias no bairro lisboeta de Arroios.

O El País andou a passear pela zona do Intendente em Lisboa, na freguesia de Arroios, e registou os progressos que o bairro lisboeta fez na última década.

Um dos maiores jornais espanhóis destaca que a zona do Intendente era conhecida antes pela “droga, prostituição e abandono urbano”.

O El País destaca a recuperação da área por António Costa, à data Presidente da Câmara Municipal de Lisboa, sendo que “oito anos depois, Arroios é um exemplo de dinamismo cultural, convivência e vitalidade social”.

A Avenida Almirante Reis, que engloba diversas freguesias, é uma das mais ricas em termos de nacionalidades. Só em dois quilómetros quadrados de Arroios, estão presentes 79 nacionalidades e, consequentemente, religiões, mas todas vivem em conjunto.

“Elegido recentemente pela revista Time Out como o bairro mais ‘cool’ do mundo, não há lugar igual em Portugal”, lê-se na publicação do ‘El País’.

A publicação espanhola destaca a entrada pela Av. Almirante Reis através da praça do Martim Moniz, subindo a avenida, até chegar à Alameda Dom Afonso Henriques. O ‘El País’ dirigiu-se ao Mercado de Arroios e elogia a arquitetura e a revitalização do espaço por “jovens empreendedores”, que vão de veganos a refugiados do Médio Oriente.

Por ser uma avenida escura, tantos anos ocupada por droga e prostituição, o jornal espanhol destaca o crescimento em altura, com os prédios rodeados pelos famosos azulejos portugueses, além da tranquilidade das ruas transversais à grande avenida.

A subir a rua em direção à Alameda, o ‘El País’ destaca o famoso restaurante português ‘O Ramiro’ que “em popularidade não tem rival”, sendo este restaurante “um local de encontro para nacionais e estrangeiros” com “uma fila de espera de 30 metros”.

Chegando ao Campo Mártires da Pátria, “um parque agradável onde os mais velhos jogam xadrez”, o jornalista do ‘El País’ destaca o “campo de basquetebol, como os que aparecem nos filmes do Bronx em Nova Iorque”.

“Cerca de cinco minutos a pé, é o miradouro do Jardim do Torel, que sabe a pouco em comparação com o que fica do outro lado do bairro, o da Nossa Senhora do Monte”, na freguesia de São Vicente, onde é possível vislumbrar o Castelo de São Jorge, Chiado, o rio Tejo e a baixa lisboeta.

Com espetáculos para todos os gostos em toda na avenida, “a rua do Intendente é o centro da modernidade e da renovação arquitetónica de Arroios”, explica o ‘El País’, sustentando que “em Arroios há lugar para qualquer tipo de surpresa”.

Ler mais
Relacionadas

Leitores internacionais da Time Out não têm dúvidas: Bairro lisboeta de Arroios é o mais cool do mundo

A freguesia de Arroios, localizada na zona da Avenida Almirante Reis em Lisboa, superou bairros em Berlim, Los Angeles, Nova Iorque, Tóquio ou Madrid.

Lisboa é o destino do mundo mais ‘cool’ para os millennials

A agência de viagens müvTravel apontou a capital portuguesa como a preferida dos millennials. De acordo com o ranking, que soma 30 cidades, Lisboa é a principal cidade que é capaz de fornecer uma estadia mais memorável para os jovens desta geração.

“Lisboa foi feita para o Instagram”. Business Insider apaixona-se pela capital portuguesa

“Lisboa é cool”. É assim que a jornalista do Business Insider descreveu a capital portuguesa, depois de ter passado três dias a visitar os cantos e recantos da capital.
Recomendadas

Reino Unido. Recessão de 14% poderá aumentar dívida pública em 400 mil milhões de libras

Numa perspetiva mais pessimista, a recessão poderá variar entre os 12,4% e os 14,3%, enquanto que num cenário mais otimista a queda poderá situar-se nos 10,6% e a dívida em 263 mil milhões de libras.

Estudo: 5,4 milhões de americanos perderam o seguro de saúde entre fevereiro e maio

O estudo da defesa do consumidor das famílias norte-americanas indica que o aumento estimado de desempregados sem seguro durante este período foi superior em quase 40% do que o aumento anterior, que ocorreu durante a recessão de 2008 e 2009.

Comércio entre países lusófonos e a China cai 12% nos primeiros cinco meses do ano

O Brasil continua a ser de longe o país lusófono com o maior volume de trocas comerciais com a China, garantindo mais de 80% dos bens transacionados, seguindo-se Angola, Portugal, Moçambique, Timor-Leste, Cabo Verde, Guiné Bissau e São Tomé e Príncipe.
Comentários